NBA #26 – coisas de intervalo

A compra dos Kings por Chris Hansen e pelo CEO da Microsoft Steve Ballman não deixa muitas dúvidas de que o franchising irá de malas e bagagens para Seattle. Não consigo perceber como é que esta equipa está neste momento no penúltimo lugar da Conferência Oeste.

É certo que é uma equipa muito jovem e equipas jovens tem dois defeitos: gostam de atacar em demasia e como tal não defendem e cometem muitos erros imaturos com ou sem pressão. Isaiah Thomas, Jimmer Fredette, Tyreke Evans, DeMarcus Cousins, Jason Thompson, Marcus Thornton, Thomas Robinson e James Johnson são jogadores de 1º a 4º ano na liga e são desde o início da nova estratégia da equipa do estado da califórnia pedra basilar para uma estratégia de longo prazo que visava devolver a equipa aos playoffs.

Mesmo jogadores mais velhos como John Salmons, Chuck Hayes ou Francisco Garcia estão na sua 8ª época na liga e não podem ser considerados como veteranos da liga.

Se analisar passo a passo de uma forma rápida esta equipa creio que com uma estratégia mais ambiciosa e soluções de banco mais credíveis do que Garcia, Hayes e James Johnson, esta equipa estaria e deveria estar a lutar pelos playoffs. Talvez falte aqui uma estrela ou alguém que pegue no jogo da equipa nos momentos de pressão.

Bases a equipa tem. Um dos com maior potencial da liga. Isaiah Thomas é um jogador espectacular. Skills de base brilhante, é muito rápido nas transições, sabe ler o jogo, é audaz, tem um lançamento de longa distância fabuloso e uma confiança desmedida. Tanto a tem que é capaz de lançar 5 vezes de triplo seguidas, indiferentemente do sucesso em cada uma delas. Tyreke Evans foi um jogador que chegou à liga rotulado de craque. Escolhido pelos Kings na 4ª posição do draft de 2009, era dado como um dos bases do futuro. É um jogador inteligentíssimo e consegue meter em marcha no seu jogo o melhor de dois mundos: as incursões em layup e o lançamento exterior. Funciona muito bem com Thomas na medida em que um é rápido (e bom lançador) e o outro pode ser o destinatário de maior parte das suas assistências. No entanto, com uma equipa pouco ambiciosa, o jogador que se queria de 22 pontos de média está com 15 e poderá passar ao lado de uma grande carreira.

Ao nível de suplentes para a posição de base, a equipa dispõe de Jimmer Fredette e Marcus Thornton. 7.4 pontos no ano de rookie auspiciam que poderá ser um jogador de 15 no futuro. É mais lançador que passador mas tais atributos ainda poderão ser corrigidos. Marcus Thornton chegou a liga em 2009 pelas mãos dos Miami Heat na 49ª posição do draft mas não ficou muito tempo pela Flórida. É um jogador muito interessante e revela-se mais um daqueles casos de um jogador de fundo do draft pelo qual ninguém dava nada e afinal de contas até é jogador util para qualquer uma das equipas da liga. Tem 11 pontos de média esta época mas poderia facilmente subir os seus números aos 15 caso estivesse no banco de uma equipa competitiva.

Extremos: John Salmons. Salmons é um velho conhecido meu de Chicago. É um jogador que nota-se a olhos vistos que está a passar ao lado de uma boa carreira. Sem ser rápido, é elegante. Dono de uma técnica formidável e dono de um lançamento exterior (principalmente de 3 pontos) que quando engata é qualquer coisa de genial! No entanto é um jogador psicologicamente muito fraco. Faz 1 jogo excepcional a cada 5 maus. Treme como varas verdes nos momentos de pressão.

Francisco Garcia – Não é nem nunca será uma vedeta da liga. Aliás, só está a jogar ao nível do que se pretende para se jogar na liga desde que chegou a Sacramento. No entanto é um jogador que raramente compromete. Joga o que pode. Faz o que sabe. Lança qualquer coisita mas sempre que o faz, faz bem. Sabe enquadrar-se bem para lançar e raramente e não tem medo de o fazer qualquer que seja o defensor. 

Jogo interior – Uma dupla de postes interessante: Jason Thompson e DeMarcus Cousins. O primeiro é muito deselegante mas faz do físico e do atleticismo a sua arma. O 2º também revela muito pouca técnica e muito físico. A técnica de ambos ainda pode ser trabalhada. Cousins chegou à liga como 5º do draft de 2010. Cousins comete muitos erros. É muito imaturo e como tal muito faltoso e algo inconsequente no lançamento. Não é jogador para por a lançar a mais de 8 pés do cesto. No entanto fá-lo variadíssimas vezes ao jogo, ora à esquerda ora à direita. Se fosse seu treinador limitava-o à luta das tabelas, onde de facto é rei. Ganha muitos ressaltos e marca muitos pontos na tabela depois de ressaltos ofensivos. Para além disso é um defensor tremendo.

Uma das grandes vantagens dos Kings é precisamente a velocidade. Thomas e Evans incutem um jogo muito veloz à equipa. Isso permite à equipa ser muito forte do ponto de vista ofensivo. Porém, quem na NBA joga a mil, acaba por defender a 0. E o grande defeito desta equipa reside no facto de não defender nadinha. Acho que aqui reside o busílis da equipa. No entanto não percebo como é que esta equipa não rende. Não percebo de futurologia mas já vi muita NBA na minha vida. E isso faz-me crer que se Hansen e Ballman levarem a equipa para Seattle, Sacramento poderá nos próximos anos “mascarar-se de Seattle” e desempenhar o papel de uma cidade que viu uma equipa igualmente jovem e talentosa (como eram os Sonics de Durant) rumar a outra cidade (Oklahoma) e aí estabelecida conseguir as finais da liga.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: