clássicos (de fim de noite)

Um hino ao futebol! Camp Nou, quartos-de-final da Copa do Rei 1996\1997. Eu vi este jogo em directo na TVI. Graças à minha mãe que me deixou ficar acordado até às 11 da noite para poder ver até ao fim. E ainda bem que deixou visto que foi um daqueles jogos que era capaz de alegrar uma criança de 9 anos num tempo em que o futebol que vinha de fora era escasso no país.

Barça de sonho com jogadores como Vitor Baía, Busquets (2º guarda-redes; pai de Sérgio Busquets), Albert Ferrer, Pep Guardiola, Fernando Couto, Luis Figo, Giovanni (que pés magníficos tinha este brasileiro) Sergi (o melhor defesa esquerdo que alguma vez vi jogar; era uma locomotiva a fazer todo o flanco e tinha uma capacidade de cruzamento que só vi anos depois, no lado direito no Paraguaio Arce), Zubizarreta (3º guarda-redes, anos mais tarde titular da selecção espanhola quando já actuava no Valência), Robert Prosinecki (outro dotado com uns pés do outro mundo; no entanto as lesões haveriam de lhe estragar a carreira), Hagi (outro daqueles que colocava a bola onde queria), Hristo Stoichkovic, Luis Enrique, Guillermo Amor, Miguel Angel Nadal (tio do tenista Rafa Nadal), Albert Celades, Abelardo, Pizzi e Jordi Cruyjff (que não deu nada), Ivan De La Peña e a estrela da companhia, Ronaldo O Fenómeno. Indiscutivelmente um dos melhores planteis de sempre da história do futebol.

Atlético de Madrid na ressaca do furacão futre mas no expoente da era Gil y Gil. Uma equipa que lutava pelo título e ombreava taco-a-taco com as duas superpotências do futebol espanhol. Jogadores como José Molina, Santi (um defesa central que passou praticamente despercebido aquela geração mas que ainda chegou a ser convocado para a Roja), Geli (um central muito forte fisicamente), Vizcaíno, Pantic, Diego Simeone (que saudades de o ver jogar!!) Aguilera e Caminero (a dupla de médios ofensivos da selecção espanhola de então), Bejbl, Quinton Fortune (antes de Manchester), Biagini, Ezquerro (extremo da selecção espanhola), Esnaider (anos depois seria contratado pelo Porto não tendo grande sucesso na sua passagem pelo clube da Invicta) e Kiko, anos a fio o colega de ataque de Raúl ou Morientes na Roja. No banco, Radomir Antic.

Meia-hora de terror para Couto e Baía. O Barça perdia por 4-0 e sofria uma humilhação frente ao Atlético. Baía tinha sido contratado por 5 milhões de euros (1 milhão de contos!!) ao Porto, sendo na altura o guarda-redes mais caro da história do futebol. Metia água por todos os lados a cada vez que a bola cercava a sua área. Dá-me uma nostalgia ao ver estas imagens. Nessa meia hora, Kiko e Pantic fizeram o que quiseram de Couto e Nadal. Na 2ª parte, foi o que foi. Não tenho palavras para descrever o rolo compressor da equipa orientada por Sir Bobby Robson (com Mourinho como adjunto) com De La Pena, Sergi, Figo e Ronaldo a encetar a reviravolta. Para ver e rever. Ainda bem que o youtube ainda tem destas reliquias. São património da humanidade.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: