Monthly Archives: Agosto 2012

A verdadeira tragédia do aborto

Por Peter Singer, Professor de bioética na Universidade de Princeton e professor Laureado na Universidade de Melbourne

“Na República Dominicana, no mês passado, uma adolescente grávida que sofria de leucemia viu adiada a sua quimioterapia, porque os médicos receavam que o tratamento pudesse terminar a gravidez e assim violar a rígida lei antiaborto do país. Depois de conversações entre médicos, advogados e a família da rapariga, a quimioterapia foi iniciada, mas não antes de ter sido mais uma vez dada atenção à rigidez das leis do aborto em muitos países em desenvolvimento.

O aborto recebe cobertura extensiva dos meios de comunicação nos países desenvolvidos, especialmente nos Estados Unidos, onde os republicanos têm usado a sua oposição ao tema para reunir votantes. Recentemente, a campanha para a reeleição do Presidente Barack Obama contra-atacou, lançando um anúncio televisivo onde uma mulher diz que é “um tempo assustador para se ser mulher”, porque Mitt Romney disse que apoia a criminalização do aborto.

Mas muito menos atenção é dada aos 86% de todos os abortos, que acontecem no mundo em desenvolvimento. Embora uma maioria de países em África e na América Latina tenha leis proibindo o aborto na maioria das circunstâncias, as proibições oficiais não impedem elevadas taxas de aborto.

Em África, há 29 abortos por cada mil mulheres, e 32 por mil na América Latina. O número homólogo para a Europa Ocidental, onde o aborto é geralmente permitido na maioria das circunstâncias, é de 12. De acordo com um recente relatório da Organização Mundial de Saúde, o aborto clandestino originou a morte de 47 mil mulheres por ano, sendo que quase todas estas mortes ocorreram em países em desenvolvimento. Mais cinco milhões de mulheres sofrem ferimentos todos os anos, por vezes a título permanente.

Quase todas estas mortes e ferimentos poderiam ser prevenidos, segundo a OMS, se se respeitassem as necessidades de educação sexual e de informação sobre planeamento familiar e contracepção, e se se fornecesse o aborto induzido seguro e legal, bem como os cuidados continuados para prevenir ou tratar complicações médicas. Uns estimados 220 milhões de mulheres no mundo em desenvolvimento dizem que querem prevenir a gravidez, mas têm falta de informação sobre, ou acesso a, contracepção eficaz.

Essa é uma grande tragédia para as pessoas físicas e para o futuro do nosso planeta, já tão povoado. No mês passado, a Cimeira de Londres sobre o Planeamento Familiar, organizada pelo Departamento do governo Britânico para o Desenvolvimento Internacional e pela Fundação Gates, anunciou compromissos para chegar a 120 milhões destas mulheres até 2020.

O jornal do Vaticano respondeu criticando Melinda Gates, cujos esforços em organizar e financiar parcialmente esta iniciativa levarão, estima-se, a quase menos três milhões de bebés a morrer no seu primeiro ano de vida, e a menos 50 milhões de abortos. Poder-se-ia pensar que os católicos romanos veriam estes resultados como desejáveis. (Gates é ela própria uma católica praticante que viu o que acontece quando as mulheres não conseguem alimentar os seus filhos, ou são mutiladas por abortos efectuados em condições perigosas.)

Restringir o acesso ao aborto legal leva muitas mulheres pobres a procurar o aborto praticado de forma insegura. A legalização na África do Sul do aborto a pedido fez decrescer em 91% as mortes relacionadas com abortos. E o desenvolvimento dos medicamentos misoprostol e mifepristona, que podem ser fornecidos por farmacêuticos, torna possível o aborto relativamente seguro e barato nos países em desenvolvimento.

Os opositores responderão que o aborto é, pela sua própria natureza, inseguro – para o feto. Salientam que o aborto mata um indivíduo único e vivente. Esse argumento é difícil de negar, pelo menos se por “humano” queremos significar “membro da espécie Homo sapiens”.

É também verdade que não podemos simplesmente invocar o “direito à escolha” de uma mulher para evitar a questão ética do estatuto moral do feto. Se o feto realmente tivesse o estatuto moral de qualquer outro ser humano, seria difícil argumentar que o direito à escolha de uma mulher grávida inclui o direito de provocar a morte do feto, excepto talvez quando a vida da mulher está em perigo.

A falácia no argumento antiaborto reside no salto conceptual da afirmação cientificamente rigorosa de que o feto é um indivíduo vivente da espécie Homo sapiens para a afirmação ética que o feto tem por essa razão o mesmo direito à vida que qualquer outro ser humano. A pertença à espécie Homo sapiens não é suficiente para conferir a um ser o direito à vida. Nem pode algo como a consciência de si ou a racionalidade garantir maior protecção ao feto que, digamos, a uma vaca, porque o feto tem capacidades mentais que são inferiores às das vacas. Contudo os grupos “pró-vida” que fazem piquetes junto das clínicas de aborto são raramente vistos a fazer piquetes junto de matadouros.Podemos argumentar, de modo plausível, que não devemos matar, contra a sua vontade, seres conscientes de si que querem continuar a viver. Podemos encarar isto como uma violação da sua autonomia, ou como uma frustração das suas preferências. Mas porque deveria o potencial de um ser de se tornar racionalmente consciente de si fazer com que fosse errado terminar a sua vida, antes de ter a capacidade para a racionalidade ou para a consciência de si?

Não temos a obrigação de permitir que todos os seres com o potencial de se tornarem seres racionais realizem esse potencial. Se houver um choque entre os supostos interesses de seres potencialmente racionais mas ainda não conscientes, e os interesses vitais de mulheres realmente racionais, devemos dar sempre preferência às mulheres.”

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

A partir do momento em que o zé cabra lançou um disco e a Fátima Lopes escreveu dois romances

toda a merda da sociedade portuguesa é vedeta e faz um álbum.

Com as etiquetas

como o Direito Internacional Público pode ser tão…

Assange.

Asilo político concedido pelo Equador.

Uma extradição pendente para a Suécia para ser julgado pela violação de duas cidadãs suecas, inventando à pressão pelos EUA para posteriormente terem a possibilidade de o torturar em Guanatanamo como fizeram por exemplo com Bradley Manning, o soldado que passou alguns dos ficheiros do exército americano para o site do australiano, e para o julgarem injustamente em solo norte-americano, onde, Assange nunca poderá ser presumido como inocente numa justiça onde toda a gente é culpada até ser inocente.

O que é que lhe espera?

Pela moldura penal sueca poderá cumprir até 4 anos de prisão efectiva com direito de indeminização às queixosas. Pela Norte-Americana, o crime de divulgação pública de ficheiros confidenciais e secretos será mais que motivo para um cúmulo jurídico de 35 anos em perpétua, dependendo do trial que possa ser executado: com juri ou sem juri.

Muito se tem especulado sobre a eventual saída de Assange da embaixada equatoriana em Londres.

Assange não poderá sair de carro de dentro da embaixada por dois motivos: não circulam carros dentro dela e logo que Assange sair do carro diplomático terá o mandato de captura internacional à vista.

Assange não poderá sair da embaixada numa “mala diplomática” – isto porque apesar do Direito Internacional proteger as ditas, na alfândega londrina, a embaixada do Equador poderá ser mandada pelas autoridades britânicas a  abrir o conteúdo da dita “mala” e mal Assange pisar solo britânico, aparecerá novamente o mandato.

No entanto, pelo que conheço do Direito Internacional existem duas soluções à vista para o caso:

1. A polícia Inglesa invade o complexo de embaixada do Equador e prende assange. Tenho a certeza que essa invasão resultará em primeiro lugar do corte de relações diplomáticas entre os dois países, seguida de queixa do país Sul-Americano para a ONU. No pior dos cenários, o governo equatoriano pedirá aos seus principais parceiros latinos que façam um embargo a tudo o que é britânico, que cortem relações diplomáticas com sua Majestado ou, mesmo no pior dos cenários, o Equador faz uma declaração de guerra ao Reino Unido. Nesse cenário está o caldo entornado.

Além do mais, uma invasão só iria dar razão ao argumento de que Assange está a ser acusado ilegalmente pela vergonha que fez passar o estado norte-americano pela divulgação dos ditos documentos.

2. Assange sai da embaixada preso por uma corda ao próprio embaixador Equatoriano. O mandato poderá ser mostrado ao Australiano, mas atrelado a ele também será o preso o embaixador. E aí, o caldo também estará entornado

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

diz-se que é o interesse do partido

Esta decisão de Louçã abandonar o comando do Bloco de Esquerda em prol de uma liderança bipartida e feminista não deixa de ser caricata.

Como se sabe, um dos motivos que levou a Ruptura\FER de Gil Garcia (e do meu amigo, amigom, estás a ler a amigo?) Manuel Afonso, a, primeiro insurgir-se contra a hegemonia do PSR nas Convenções do Bloco, foi precisamente a utilização do argumento que o Bloco estava viciado para que Louçã se mantivesse ancorado ao poder, fruto da união entre as 3 maiores facções do mesmo: PSR, Política XXI e UDP.

A FER abandonou a Mesa Nacional do Bloco e transformou-se em partido: o MAS. Os Bloquistas do triunvirato Louça, Fazenda, Drago e do vice-rei conimbricense José Manuel Pureza, em certa medida, agradeceu o abandono. Gil Garcia, o homem da arrentela e os seus manifestantezinhos profissionais estavam a tornar-se incómodos, visto que todas as tomadas de posição do partido estavam a esbarrar com as suas posições radicais (sim, ainda mais radicais!). E meses depois do acontecimento, Louçã decide sair e decide propor a liderança do partido a dois militantes do Porto, utilizando uma ideia lançada uma vez na Convenção pelo falecido Miguel Portas.

Louça, na nota que disponibilizou via facebook aos militantes do partido afirma que “O argumento de que esta hipótese é de meios líderes é uma tentativa fracassada de os vulnerabilizar. Esta solução ganhou consenso e ganha força. Tenho muita confiança nesta solução. A decisão não compete ao núcleo de direcção, podem surgir outras opções…” – ou será que Louça, sabendo que o partido está a perder força devido ao seu bipolarismo (um excelente economista, um péssimo político) saberá que a melhor decisão para manter a coesão do partido não passa só por abandonar a sua liderança como entregá-la a quem poderá satisfazer todos os interesses nele presentes e assim apaziguar as tensões de conflito que podem surgir entre as facções na próxima Convenção?

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , ,

mas segunda no Estádio Municipal de Aveiro

estou confiante que o Beira-Mar vai dar chapa 5 à Briosa no arranque da nova época.

 

dificuldades no zapping

dias complicados! Início das Ligas europeias de futebol, Liga dos Campeões, Liga Europa, vuelta, Volta a Portugal e Torneio das 4 Nações. Ao menos se o dia tivesse 48 horas…

Com as etiquetas ,

os temas e os Temas

Bobby Womack – “Please forgive my heart” — Álbum: The Bravest Man on Universe (2012)

De Londres #26 – dos inacreditáveis e eternos campeões

Nos 100, nos 200, nas estafetas, futuramente nos 400 e nas esfetas de 4×400, o salto em comprimento e talvez o triplo-salto. De Bolt poderemos esperar tudo.

Bolt não é deste mundo. Ouros com recorde olímpico nos 100. Bateu Blake nos 200 contrariando todos os prognósticos. Já nos 100, bater homens como Gatlin ou Asafa Powell (teve uma despedida triste dos jogos com uma caibrã na final dos 100) não está ao alcance de todos.

Provou ser o melhor velocista de sempre. Compará-lo com Carl Lewis ainda é prematuro pois ainda não vimos o Jamaicano no salto. Estou seguro que veremos num futuro próximo.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , ,

De Londrs #24 – das belas fotografias olímpicas

Nikishori (Japan) – fotografia de Mark Blintch para a Reuters.

400 metros barreiras pela máquina de Max Rossi\Reuters

Shin A. Lam da Coreia do Sul chora a derrota na sua prova de esgrima – fotografia de Fabrizio Bensch para a Reuters.

Jules Bresset ganha o ouro olímpico para a França na prova feminina de cross-country. Fotografia de Cathal McNaughton para a Reuters.

Alexander Kristoff da Noruega vence o sprint pela medalha de bronze na prova masculina de ciclismo de estrada. Foto do site da União Ciclistica Internacional\Protour

Emanuel Silva e Fernando Pimenta mordem a medalha de prata como se ouro se tratasse. A Alegria dos heróicos portugueses. Foto de Kim Young para a Reuters.

O Britânico Ben Ainslee na Vela.

Jéssica Augusto – Fotografia de Eddie Keogh para a reuters.

Turquia vs Croácia em basquetebol feminino – Mike Segar – Reuters.

Fortunato Pacavira de Angola na prova de C1 1000 metros – Jim Young para a Reuters.

Dinamarca vs Coreia do Sul – Torneio masculino de andebol – Reuters

A espantosa Gabrielle Douglas dos EUA, novo mito da história da Ginástica – Brian Snyder para a Reuters.

O mais frágil dos irmãos Brownlee vence o Triatlo Olímpico depois de uma luta intensa com o seu irmão Jonathan e com o espanhol Jordi Gomez.

O mítico Chris Hoy no ciclismo de pista.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

não me liguem as luzes

Chromeo — “Don´t turn the lights on” — Álbum: Business casual (2010)

Com as etiquetas ,

De Londres #23 – dos portugueses

Ouvi hoje o chefe da missão olímpica Mário Santos fazer o balanço da participação dos Portugueses nos jogos olímpicos ontem encerrados e alinhar baterias para o início da próxima missão olímpica.

Há alguns dias atrás, ouvi o presidente do Comité Olímpico Português Vicente de Moura fazer vários statements que vão na mesma onda do que ontem foi dito por Mário Santos.

Santos reclama mais apoio, reclama uma mudança na programação da próxima missão olímpica e afirma que “alguns atletas voltam sem saber as regras do jogo” – é certo que esta última frase indica um mau-estar que se sentiu na aldeia olímpica londrina entre a comitiva portuguesa e indicia obviamente uma boca declarada para alguns atletas como Carolina Borges.

Já o presidente do Comité Olímpico afirmou que vai falar com o Governo para que juntos, a tutela e o organismo que preside (ad-eternum, diga-se) possam dialogar com vista a uma mudança de paradigma nos apoios que a tutela dá ao desporto português.

O que é que será preciso para que Portugal comece a ter rendimento desporto internacional de topo?

Depois do balanço da comezinha participação portuguesa em Londres, salva do grau de catástrofe por 2 guerreiros na canoagem, existe vários aspectos que devem ser realçados.

Desportivamente, existiram alguns atletas in e outros out:

Dos in, destaco Emanuel Silva e Fernando Pimenta (em particular) e a delegação da canoagem em geral no topo de pirâmide da participação lusa nos Jogos.
Heróis. Fernando Pimenta, Emanuel Silva, Teresa Portela, Beatriz Gomes, Joana Vasconcelos e Helena Rodrigues. Cada tiro cada melro. Uma medalha espectacular que por poucos centésimos não deu em ouro olímpico e várias finais. Temos que ter em pano de fundo o contexto da evolução da canoagem em Portugal.

A Federação Portuguesa de Canoagem tinha em 2010 2270 atletas federados, espalhados por vários clubes do norte para o sul, números equiparáveis a um número mais ou menos idêntico em 1996. Apesar de ser uma estável federação, há 20 anos atrás quem dissesse que um canoísta português conseguiria atingir uma medalha em 1992 seria acusado de louco. Lentamente todo este cenário viria a mudar. No inicio de século, a federação que um dia viu-lhe ser retirada o regime jurídico de instituição de utilidade pública (regime que só lhe seria devolvido em 2004 depois de um 7º lugar de Emanuel Silva nos Jogos de Atenas em k1) avançou-se para a construção de infra-estruturas que permitissem criar uma fábrica de campeões. Falo do centro de alto rendimento de Montemor-o-Velho no Mondego e para a contratação de um técnico de elite, o polaco Ryzhard Hoppe. Os títulos começaram a chegar lentamente: Emanuel Silva nos juniores e seniores, uma final olímpica, títulos e medalhas mundiais por intermédio de Emanuel, Fernando, Teresa Portela, Beatriz Gomes e Joana Vasconcelos nos mundiais séniores e sub-23. Estou certo que a canoagem portuguesa não ficará por aqui ao nível de evolução visto que as bases do sucesso para o futuro estão construídas.

A minha segunda nota positiva continua na água. A dupla Fraga\Mendes quase fez história no Remo. Sem apoios nem ajudas, esta dupla teve inclusive que mudar de clube do Sport Club do Porto para o Sporting para poder competir a alto-nível. Da final B de Pequim saltaram para um honroso 5º lugar em Atenas. Devidamente apoiados poderão saltar do 5º lugar de Londres para uma medalha olímpica daqui a 4 anos.

A terceira nota positiva vai para o Ténis de Mesa portugues. Marcos Freitas foi longe no torneio individual e por equipas, conjuntamente com João Pedro Monteiro e Tiago Apolónia, protagonizou outro dos momentos altos da participação nacional em Londres ao bater o pé nos quartos-de-final à selecção Sul-Coreana (2ª no ranking mundial, medalha de bronze em Pequim e medalha de Prata nos jogos) e colocando um pavilhão inteiro onde só se ouvia a palavra Portugal. Os três portugueses deram o que puderam e o que não puderam contra asiáticos, todos eles bem melhor colocados no ranking mundial (o melhor português é Marcos Freitas; ocupa a 24ª posição do ranking mundial) – estes três atletas, pela sua juventude, também poderão evoluir muito para os Jogos de 2016.
No ténis de mesa podemos constatar como a partida dos nossos melhores atletas para o estrangeiro trouxe mudanças significativas na sua evolução. Marcos Freitas tem 23 anos e joga num clube da 1ª divisão francesa (Pontoise Cergy) depois de 5 anos a representar um clube Alemão e galgou 7 posições no ranking mundial com a participação olímpica, sendo um dos melhores europeus nesse mesmo ranking). Tiago Apolónia e João Pedro Monteiro jogam na Bundesliga Alemã e já ganharam títulos pelos seus clubes.

A quarta nota positiva vai para o triatleta João Silva. Um honroso 9º lugar numa prova difícil para a qual o Português não se preparou devidamente, fruto de várias lesões que teve nos últimos 2 anos. Com uma preparação séria poderá lutar por mais daqui a 4 anos.

A quinta nota positiva vai para o Badminton Português. Telma Santos conquistou para a modalidade a primeira vitória portuguesa em 20 anos de participação. É mais uma modalidade que carece de apoios e que acima de tudo carece de clubes onde os atletas que começam principalmente no desporto escolar possam dar seguimento ao trabalho de iniciação que é feito nas escolas. Nos masculinos, Pedro Martins foi eliminado por um dinamarquês, 5º do ranking mundial mas fez um jogo bastante agradável.

A sexta nota positiva vai para a Vela. As duplas de 49er e 470 fizeram uma participação bastante interessante, discutindo os lugares do pódio em várias regatas e chegando à respectiva medal race onde não puderam competir pelas medalhas devido ao facto da prova ser por pontos e de nem a vitória na medal race garantir possibilidades aos portugueses de alcançar as medalhas. Creio que este sistema olímpico está mal formulado. Não pelas regras classificativas mas pelo formato da medal race. Deveria efectivamente fazer-se uma qualificatória para a medal race no regime vigente mas a medal race deveria ser aberta aos 10 melhores da qualificatória não importando para tal os pontos acumulados.

A última nota positiva vai para a Equitação e Hipismo. Gonçalo Carvalho e o cavalo lusitano mostraram o que de melhor se faz em Portugal na modalidade. O atleta mostrou um discurso humilde e sempre afirmou que não estava em Londres para lutar pelas medalhas mas sim para aprender, ganhar experiência e mostrar o lindo cavalo de raça portuguesa ao mundo. Já a luso-brasileira Luciana Diniz também se exibiu ao mais alto nível com o seu cavalo Lenox no concurso de saltos. Teve azar na última prova. No entanto as duas finais também demonstram que é necessário investir mais na modalidade num país com recursos (o cavalo lusitano é uma das mais prestigiadas raças do mundo) para se fazer mais e melhor nas grandes competições mundiais.

Completamente out:

Telma Monteiro – a desilusão de alguém que era a nossa principal favorita a uma medalha. Para uma atleta tão experiente, é inexplicável o facto de ter caído logo na primeira ronda contra uma atleta menos cotada no ranking mundial e cuja atleta lusa já tinha vencido todos os combates em que tinha lutado contra a atleta norte-americana. Os grandes campeões vêem-se nos Jogos. Os grandes campeões são aqueles que não vacilam no momento da decisão. Telma vacilou no primeiro combate e acabou fora de um lugar de prestigio. Que lhe sirva de lição para o futuro.

João Pina – idem. Apesar de não ser candidato às medalhas, esperava-se que fosse pelo menos até ao combate de repiscagem para as meias-finais.

Atletismo – a pior participação de sempre. É certo que os três últimos medalhados não participaram por lesão. Nélson Évora cumpriu um autêntico marasmo no seu ciclo olímpico enquanto campeão de Pequim. Várias lesões impediram o atleta do Benfica de competir ao mais alto nível. Naide Gomes foi mais um exemplo de lesões. Rui Silva tentou mudar de variante e saltou dos 1500 metros para os 10 mil e dos 10 mil para a maratona. O atleta do Sporting não se deu bem com as mudanças e não viajou para Londres.

Das participações portuguesas no atletismo, a maratona foi satisfatória. O 7º lugar de Jéssica Augusto na prova máxima do evento feminino abre boas sensações para o futuro. Jéssica cumpriu a sua primeira grande maratona e ainda é algo inexperiente na prova. Daqui a 4 anos poderá fazer muito mais. O mesmo acontece com Ana Dulce Félix. Fugiu do favoritismo das africanas nos 10 mil metros onde se sagrou campeã europeia recentemente e cumpriu a sua primeira maratona da carreira em Londres. Não tenho dúvidas em afirmar que a vimaranense tem a fibra suficiente para daqui a 4 anos lutar pelas medalhas com as africanas.

Marco Fortes, o da “caminha”, voltou a desiludir, falhando a final do lançamento do peso num ano onde estava a demonstrar uma excelente forma e bons resultados em meetings internacionais.

Natação – Nenhum atleta passou da primeira fase ou constituiu recordes nacionais. Uma lástima. Com tantos clubes de natação, tantos praticantes e tantas piscinas em Portugal são incompreensíveis os resultados dos portugueses. Creio que a melhor solução para a modalidade passa realmente pela formação de parcerias com grandes universidades norte-americanas para que atletas portugueses possam conseguir scolarships para estudar e treinar nos EUA e assim evoluírem entre os melhores.

Sobre Vicente de Moura:

Vicente de Moura interrogou o que era preciso fazer para que o desporto português começasse a resultados nos Jogos tendo em conta aquilo que tem sido feito pelas missões olímpicas nas últimas edições do jogo. Parece-me bastante simples que a primeira acção que se deve fazer para que o desporto português comece a “arrumar-se” é a demissão do próprio Vicente de Moura. Está mais que visto que o presidente do COP está gasto no lugar. Necessita-se portanto de uma evolução no COP e da entrada de novas ideias para o desporto português.

Sobre Carolina Borges:

Tudo envolto em polémica. A troca de acusações nos últimos dias foi imensa e não estou aqui para julgar quem tem razão ou não no celeuma. Ambas as partes agiram de forma amadora. A comitiva autorizou que a velejadora dormisse fora da aldeia de Weymouth e a velejadora errou no acto de comunicação à missão que não ia para a água. Numa missão séria, Carolina Borges teria que ficar na aldeia olímpica visto que esta existe para que os atletas lá pernoitem. Uma missão que não consegue controlar o paradeiro de uma atleta é uma missão que trabalhou de forma amadora quando os jogos obrigam-na a trabalhar no top do profissionalismo.

Infra-estruturas, condições de treino, bolsas olímpicas, projecto olímpico e investimento no desporto:

É cada vez mais notório que o desporto português passa por gravissimas deficiências.

É importante que os portugueses tenham a noção disto e não tentem cobrar em demasia a sua ansia de vitórias neste tipo de eventos a atletas que fazem o que podem com o pouco que tem e com o pouco que tem em relação a adversários que tem muito mais condições para poder evoluir.

Em algumas modalidades parece-me difícil que Portugal se faça representar nos Jogos. Falo do basquetebol, do andebol, do voleibol, do hoquei em campo, do tiro ao arco, do halterofilismo e do ténis. Por quezílias abertas nas federações num passado recente (andebol; voleibol), pela evolução do basquetebol estar a ser gradual mas insuficiente para colocar a nossa selecção nas grandes provas internacionais (só recentemente é que pusemos a nossa selecção a participar num Eurobasket) e pela inexistência de clubes\infra-estruturas no nosso país, outras como o hóquei em campo e o halterofilismo acabam por ser modalidades com poucos praticantes em Portugal. No Ténis, apesar do Jamor possuir um complexo desportivo interessante, não existe qualificação abundante ao nível de treinadores e os atletas portugueses raramente conseguem arranjar condições financeiras que lhes permitam

Noutras modalidades, o investimento em infra-estruturas é claramente insuficiente. No atletismo, na vela, no Remo, no Triatlo. Necessita-se portanto de se criar nessas modalidades aquilo que por exemplo foi criado na canoagem com a construção do centro de alto rendimento e com a contratação de profissionais estrangeiros ou nacionais que possam monitorizar e dar experiência à formação de atletas. O exemplo espanhol, aqui bem ao lado do nosso país, é o exemplo mais concreto de um país que se reforçou ao nível de infra-estruturas de topo e conseguiu lentamente colocar quase todas as modalidades existentes no país nos píncaros do desporto mundial. Basta só observar a quantidade de títulos europeus que a espanha ganhou desde o futebol, passando pelo basquetebol, andebol, futsal e hoquei até aos grandes resultados das nadadoras espanholas nos jogos olímpicos e da selecção espanhola de hóquei em campo.

Noutras modalidades, existe carência de clubes. O exemplo do Badminton é o mais paradigmático.

Certos atletas privam-se de muita coisa nas suas vidas para tentar melhorar a sua condição. Mas no entanto, até a própria formulação do projecto olímpico não é feita de acordo com critérios adequados. As bolsas olímpicas são escassas e não são pagas a horas. Tendo em conta exemplos de outros países onde os atletas são profissionais com as bolsas e condições que os governos e organismos lhes dão para focar a sua actividade no desporto de alto rendimento, em Portugal, o atleta que falhe no projecto olímpico poderá não receber nem mais um cêntimo no novo ciclo. Obviamente que desistirá. Além do mais, o projecto olímpico acompanha na maior parte atletas que já estão consolidados na sua posição nacional e internacional quando realmente deveria começar em atletas em formação, para que estes pudessem começar a competir lá fora desde cedo para ganhar experiência internacional.

O investimento no desporto em Portugal é nulo. Aliás, vivemos num país onde a tutela da saúde e do desporto apresentam inclusive várias carências na criação de políticas que incentivem à prática de desporto entre a população. Não podemos exigir mais dos nossos atletas. Desportos como o Hipismo, como o ténis ou a vela estão vedados a 95% da população por serem desportos que exigem forte investimento em equipamentos, alugueres de barcos\espaços, despesas altíssimas ao nível de manutenção de equipamentos e ao nível de participação em competições nacionais e internacionais.

Estou em crer que se for feito um esforço piramidal de construção de infra-estruturas, sediação de clubes, sediação de competições regulares, apoios aos atletas promissores com cabeça tronco e membros e contratação de profissionais experientes ao nível de metodologia de treino para competição, poderemos ter mais e melhor desporto em Portugal. Os resultados aparecerão com o tempo. Basta olhar para o exemplo espanhol.

Quando assim o é, qualquer participação portuguesa a alto nível está condenada à mediocridade…

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Feliz cumpleaños Fidel

Os 86 anos do senhor da Revolução que um dia ousou ameaçar a hegemonia norte-americana no mundo!

Com as etiquetas ,

só uma notazinha

Estou a ver em directo na RTP1 uma emissão a partir de Fátima em que está um tipo com um coro atrás a cantar músicas religiosas como um coro?

Queres que ver que a Igreja Católica Apostólica Romana já aceitou o protestantismo ou não serão estes coros dignos apenas daquelas igrejas evangélicas e adventistas do 7º dia norte-americanas?

Com as etiquetas , , , , , , , ,

fiquem com pistolas novas e submarinos

O CDS\PP sempre optou por responsabilizar o governo socialista de António Guterres pela compra de “4 submarinos” que Paulo Portas, logo que tomou posse no governo de coligação reduziu para “2 submarinos”. O CDS\PP cumpriu portanto com estas declarações as suas intenções populistas, defendendo o querido líder dos ataques da oposição. O que é certo é que os 4 submarinos que se tornaram 2 com Portas ainda estão envoltos em polémica. Da redução de 4 para 2, nada há em concreto visto que a documentação relativa ao contrato subitamente desapareceu do Ministério da Defesa. Blame Sokratis? Talvez volte a ser essa a estratégia dos democratas pouco cristãos. É caso para dizer que é estratégia possível no reino da hipocrisia do CDS\PP: por cada erro que façamos, culpamos os socialistas de 2 mesmo que as acusações sejam sustidas em bases especulativas. Por apurar ainda está o envolvimento do ministro com a ferrostaal e com alegados subornos que poderá terá recebido para dar luz verde ao contrato. Falando de verde, o contrato de compra dos submarinos deu verdinho a ganhar a alguém: o Banco Espírito Santos. Recebeu 750 milhões por ter mediado a operação financeira do negócio, concedendo garantias bancárias ao governo para avançar para a compra dos ditos submarinos.

Creio portanto que ao bom jeito do jornalismo (não esquecer as raízes do querido líder do CDS\PP no jornalismo) que a estratégia do partido assenta na boa moda jornalística do spin-doctoring: manipular a opinião. Manipular a opinião a partir de dados factuais nem sempre comprovados. Manipular a opinião com argumentos falaciosos que indicam que o passado da herança socialista deverá ser entendido pela populi como pior que os erros da governação do presente. O bicho já pegou aos colegas de coligação não fosse o facto de Luis Montengro, líder da bancada parlamentar do PSD iniciar todos os debates quinzenais desta legislatura com as habituais perguntas de retórica ao primeiro-ministro, perguntas essas que habitualmente tentam comparar o passado socialista e o presente e realçar (diria recalcar) os erros desse mesmo passado.

Neste caso específico dos submarinos, não trato de perguntar se há fumo ou fogo porque ambos me parecem evidentes. Tão evidentes como a corrupção activa de agentes governamentais no negócio. Pergunto apenas a simples questão: de que é que está à espera o Ministério Público para investigar este processo a fundo? Pergunto também onde é que tem estado o Ministério Público neste tipo de casos?

Com as etiquetas , , , , , , , ,

maluquinhos à solta

Um homem tem uma querela com familiares por causa de heranças. Para fazer a vida negra, trava o elevador de um prédio e atira um cocktail de molotov para dentro, matando 3 pessoas. Assume-se como culpado, confessa o crime e afirma que o acto servia exclusivamente os propósitos de “pregar um susto” às pessoas em causa. Inacreditável. Surreal. Acto-tipo de uma sociedade que bateu no fundo, no descalabro, na desumandade.

É nestes casos em que defendo que os 25 anos de prisão que constituem a sentença máxima aplicável em qualquer crime praticado neste país são escassos. Individuos como este de Queluz não são regeneráveis para voltarem a conviver em sociedade. Por mais tempo que passem numa prisão.

 

Com as etiquetas , , , ,

bonkers

Dizzie Rascal ft Armind van Helder — “Bonkers” — Álbum: Tongue´n´cheek (2009)

Com as etiquetas , , ,