Já vi desculpas piores

A edição do tour, como não poderia deixar de ser, já ficou manchado por casos relacionados com o doping.

Nos dois dias de descanso, dois controlos surpresa por parte de técnicos especializados da UCI (federação internacional de ciclismo) colectaram duas recolhas muito suspeitas: no primeiro dia de descanso a Remy Di Gregório da Cofidis e no 2º ao luxemburguês Franck Schleck, líder da Radioschack-Nissan que ocupava o 12º lugar na geral.

Schleck acusou uma substância proibida chamada Xipamine, um diurético, que no mundo do ciclismo poderá servir para disfarçar ou esconder uma outra designada por EPO (cera de 3ª geração), substância que serve para aumentar o rendimento do ciclista através da aceleração do seu metabolismo.

Schleck poderia continuar em prova, de acordo com a organização do Tour. O Luxemburguês acabou por sair da prova pelo seu pé, afirmando que foi “envenenado” – a desculpa do costume. A desculpa do Luxemburguês foi claramente pior que a desculpa mais esfarrapada que alguma vez ouvi num caso de doping, caso da desculpa de Fernando Couto, que, aquando de um controlo positivo a nandrolona em 2000 quando estava ao serviço da Lazio afirmou que a substância vinha do uso de um “shampoo”.

Schleck já pediu uma contra-análise à UCI e arrisca-se (em novo controlo positivo) a uma suspensão que vai até aos 2 anos.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: