Monthly Archives: Abril 2012

1 ano

Faz hoje um ano que António Luzio Vaz nos deixou.

Na memória ficará sempre um dos homens mais gentis e humanistas que o mundo me fez conhecer.

Anúncios
Com as etiquetas , , , , , ,

Paz à sua alma

Um dia triste para toda a esquerda portuguesa.

Com as etiquetas , , ,

How Madchester put the E into enterprise zone…

Miranda Sawyer, The Guardian

In 1988 I moved to London to work at Smash Hits magazine, and one of the first things I had to do was create a map of Manchester for the magazine’s news pages. Dutifully, I put an X for where the Haçienda was, another for Dry Bar, also Eastern Bloc, the record shop co-owned by 808 State’s Martin Price. Arrows pointing down towards Moss Side, for A Guy Called Gerald, up to Salford for the Happy Mondays… I even marked the Midland, in Didsbury, a pub where a hot and messy house night called MVITA (Manchester Vibes in the Area) took place in one pitch-black room, while the other featured fringed lampshades and elderly couples sipping light ale.

And as Smash Hits‘ resident Mancunian (though I’m actually from Cheshire), I was sent to interview the Stone Roses and Happy Mondays. Both bands were great to talk to: friendly, funny, cheeky, like most people in Manchester. People in London, though, seemed scared of the place, talked about it as though it was really rough, like an English New York ghetto. When I told them that they would love the Haçienda, that it was brilliant, a fantastic club with amazing music and enough space for anyone and everyone to express themselves, they looked at me as though I were mad.

Of course, no one in Manchester cared what London thought. They never have, really. And in the late 80s, when ecstasy and acid house combined to pull in a crowd that finally filled the Haçienda’s vast warehouse space, got the place rocking so hard the sweat dripped off the underside of the balcony and made the walls wet and your head steam when you tipped out into the cool night air, Mancunians were having too much of a good time to notice that everyone else was staring.

Was that scene Madchester? Or was it the bands, the Roses, the Mondays and the rest, alternative rock bands with a loose groove, bass and drums melding in a funk that bridged the gap between white boy indie and the squelchy sounds of acid? What about other local artists, such as 808 State and A Guy Called Gerald, who actually made dance music, off-the-hook tracks such as “Cubik” and “Voodoo Ray” that drove the dancefloor crazy? Were they Madchester artists? Or just artists?

This summer sees the fully reformed Happy Mondays and the Stone Roses play again, the Roses gigs in particular threatening to give chunky men of a certain age a Proustian rush so strong you could mistake it for a heart murmur. This, despite the fact that both bands, even in their prime, were hit-and-miss live. Their inconsistency was part of their brilliance: you never knew quite what you’d get. Still, their albums, listened to in sober retrospect, are fantastic. The Roses’ eponymous 1989 debut is especially amazing, almost perfect: combining groove and guitar, tune and attitude, west coast dreaminess with north-west wit. But the underestimated Happy Mondays, whose outlaw personalities and anecdotes were always given preference over their music, also made some revolutionary sounds, referencing the swaggering madness, the suck-it-and-see of Sly and the Family Stone.

It was a Mondays release, 1989’s Madchester Rave On EP, that gave the scene a label, a hook for the world’s media. As usual, Factory records’ mouth-on-wheels Tony Wilson did his fantastic propaganda thing, going over to a US music conference to inform America that it was behind the times, that Manchester was where it was at, that it had swiped America’s best music from right under its nose, sold it back to them and it hadn’t even noticed. New York noticed Wilson, however, as well as Manchester’s bustling band scene, and Time magazine gave Madchester a front cover.

But, as is often the way, once a scene has a label, it fundamentally changes. The label limits what’s happening, deems some people in and some out, alerts the money-minded to the idea that there’s cash to be made, tells the mainstream that something’s happening that it should know about. And, just like that, the scene is invaded, changes, moves on, eventually dies.

And a scene as downright loopy as the Manchester acid house scene really defied a label. House music caused a sensation elsewhere in the country, of course, but in Manchester it had a focus. Down south, kids were forced to dance in fields; Manchester had a perfect, cool-as, ready-made venue in the Haçienda, owned by a band, New Order, who made one of the era’s best albums, Technique.

It also had a music scene small and healthy enough to foster band ambition, disused industrial warehouse spaces for any after-hours raves (the clubs shut at 2am) and a generation of adventurous kids. Kids who’d travelled around Europe, following football teams, or just because; whose taste in music was already open enough to take in the 13th Floor Elevators; who had their own sense of style, with its own, very particular rules; who ran around setting up parties, labels, bands, merchandising as well as having a laugh. All that, plus natural PR machines such as Tony Wilson, Shaun Ryder and Ian Brown, whose every utterance had journalists cheering.

And journalists were interested, of course, because something was definitely happening. On Fridays and Saturdays, then Wednesdays, when Hot started, there were queues of kids in painters’ jeans and sweatshirts, snaking round the corner from Whitworth Street back towards G-Mex, waiting to be let into the biggest, maddest youth club in the world. Just a few years before, in the mid-to-late 80s, the Haçienda was a different place, so cold you could never take your coat off, so empty you had the whole dancefloor to yourself. It staged gigs by Felt, local fashion shows hosted by Frank Sidebottom. Though we didn’t know it then, the club was waiting, biding its time until the right youth revolution, the right sounds could fill it. Acid house was that music; Madchester was the scene.

‘It was just a load of mad people, heads, faces, in the corner under the balcony. We didn’t really talk, we just didn’t stop dancing all night. The music was amazing.”

I’m talking to actress Jo Hartley of This Is England (and, soon, Ill Manors, Plan B’s new film) fame. She was 17 in 1989 and says that going to the Haçienda genuinely changed her life. “I’d been to nightclubs before, like Scandals, but you had to put on posh clothes and loads of hair lacquer, get yourself up like Anita Dobson, just to sit in a velvet booth and listen to Kylie Minogue.”

Hartley, from Chadderton, near Oldham, was taken to the Haçienda by her then boyfriend, and she couldn’t believe what it was like. Clothes were important, but in a different way (“I remember everyone wearing Levi’s with the red stripe inside”), the music was like nothing she’d ever heard and the madness, the chaos, the bedlam on the dancefloor felt like freedom.

“You could really let go, you connected with a lot of people,” she says. “It was a community that didn’t exist in other clubs. You’d come out and you’d feel amazing. And there were a lot of talented people involved; they just didn’t realise who they were at the time. Some of them are heroin addicts now, some of them are in prison, some are successful. But they were all cool. It changed my life, opened my head to people and possibilities.”

Gary Aspden, now a successful brand consultant working with labels such as Adidas and JD Sports, also credits the Haçienda with changing the way he was headed. Originally from Blackburn, he and some friends hosted parties there on a Saturday night after the Haçienda shut. “Parties for the people by the people,” he says now. They started small and got bigger, ended up in warehouses, but they were never about profit.

He remembers that with one of the first, there was money left over from the door. “So we sent a cheque to pay for 20 kids from Blackamoor special school in Blackburn to get riding lessons. It was in response to criticism from the local newspaper about people profiteering from acid house parties,” he says. “The headmaster of the school tore the cheque up and went in the local press saying, ‘We don’t want their money.’ I guess it was predictable. But still disappointing.”

That community attitude behind the Manchester acid house scene isn’t often remembered. Instead, the cartoon strip goes something like this: a bunch of scallies dressed in their fat uncle’s cast-offs took lots of drugs and danced themselves silly. Then gangsters moved in, Madchester became “Gunchester” and the “one love” vibe died. But, at least initially, there was more to the scene than that. As both Hartley and Aspden remember, it felt like a revolution, like the right people were winning, that everyone was taking their nights out – and so their lives – into their own hands. Both know several people who were into fighting at football who just gave it up; Aspden thinks that the Tories took credit for stopping 1980s hooliganism when in fact it was ecstasy and acid house. “Madchester got them dancing,” he says. “It might even have got some of them hugging, too. But we don’t dwell on that.”

Dave Haslam, Mancunian DJ and writer, sees the influence of Madchester in Manchester today. “Madchester was a chaotic, accidental, spontaneous burst of madness,” he says. “An adventure, that’s what I remember it as. No one controlled it, which meant that gangsters and corporate cowboys saw an opportunity. And once it was labelled, it kind of became about white boy indie bands, which made it more boring than it actually was. But you could say that the labelling had a value, in that it sent out a message that Manchester was being remade and that was a very important thing to say. Because in London, let alone New York and Paris, the view before then was that Manchester was post-industrial, everyone was unemployed, warehouses were lying empty, it was grim…”

The reputation that Madchester gave Manchester – that of a joyful, creative, sociable place of opportunity – has never left the city. Manchester is now all about going out. When I was young, footballers and their wannabeyourgirlfriends wouldn’t dream of going into town: too scruffy and glum. Now, the city centre is packed at weekends, students move there because of the nightlife and just along from where the Haçienda used to be is a line of bars that, as Shaun Ryder once said to me, “have the look of the Haçienda but the attitude of Rotters”.

The city has always boasted a forward-thinking, arts-oriented Labour council. That council, after the Haçienda had to be shut due to gangs muscling in and, especially, after an IRA bomb destroyed much of Manchester city centre in 1996, used the idea of Manchester as a social destination to reinvent the city. Now it has a world-beating arts festival, Manchester international festival, it has the BBC in Salford, it even managed to attract investment into Manchester City Football Club.

Perhaps it’s stretching an argument to say that without Madchester, there would be no Balotelli. Still, the silly, moody, ridiculously talented Italian (loved to pieces by everyone who works at City) wouldn’t fit in another British city. He’d be swallowed by London, squashed by everywhere else. In Manchester, they believe in craziness; they know that great things can come of it. Manchester’s contemporary spirit and excitement emerged from many things. One of which was the gathering together, in the late 80s, of thousands of mad heads, in a parallel universe, a musical playground, a dream of Adidas-shod utopia.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

deve ter doído deve

17 de Abril. NHL.

Sabemos que o hóquei no gelo tem umas regras que permitem umas achegas (legais) de vez em quando e que apesar de dar penalização de 5 minutos segundo as regras oficiais, dois jogadores podem envolver-se ao estaladão quando os árbitros não os conseguirem parar. Aliás, sempre que isso acontece, é na boa, visto que os jogadores que estão no campo afastam-se e os que estão no banco no fim aplaudem os colegas que andaram ao soco.

Outra coisa, ilegal, é levantar os pés do chão para mandar uma pantufada em queixo no queixo do adversário. Foi o que fez o internacional americano Raffi Torres ao internacional eslovaco Marian Hossa. E foi castigado em 25 jogos pela Liga.

Com as etiquetas , , , ,

Que show

Sentes o clube! Isso é o que interessa!

Com as etiquetas , , , , ,

Queandasafajere?

Quem te viu e quem te vê.

Em conjunto com Pirlo, um dos melhores que vi jogar ao nível de toque de bola e qualidade de passe.

Não deixa de ser caricato que o anúncio deixa o mote “pouco esforço” – Guti não era lá muito esforçado não…

Com as etiquetas , , , , , , ,

dava para me alimentar e viver de maserati durante toda a minha vida

David Beckham, Cristiano Ronaldo, Lionel Messi, Wayne Rooney, Káká, John Terry, Yaya Touré, Fernando Torres, Frank Lampard, Steven Gerrard, Samuel Eto´o, Emmanuel Adebayor, Franck Ribéry, Sérgio “Kun” Aguero, Daniel Alves, Carlos Tevez, Thierry Henry, Zlatan Ibrahimovic, Karim Benzema, Didier Drogba.

Os 20 jogadores do futebol mundial com maiores receitas em 2011 segundo a revista Forbes.

Juntos somaram no ano passado uma riqueza de  305.5 milhões de euros. Para termos uma pequena ideia, toda a riqueza distribuída pela população portuguesa actual (cerca de 13 milhões de pessoas) dava para distribuir 23.5 euros por cada português.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

o fascista disse

“Quero dizer-lhes que Portugal tem futuro e que há esperança, que emigrem quando tiverem de emigrar. Nós não temos de ter preconceitos, a minha filha dentro de seis meses vai fazer Erasmus para França.”

Miguel Relvas.

Palavras pra quê?

 

Com as etiquetas , ,

À 6ª foi de vez

De que vale vencer a mesma equipa 5 vezes se à sexta uma derrota dá de bandeja o título à outra equipa?

Assim aconteceu em Nou Camp. De um lado, um Mourinho inteligente aplicou a receita que já tinha dado frutos nas meias-finais da Champions em 2010 em Nou Camp com o Inter e que Roberto DiMatteo limitou-se a copiar no encontro de quarta-feira em Stamford Bridge. Do outro lado, Pep Guardiola foi traído por uma equipa que batalhou muito, que criou muito mas que não foi capaz de concretizar as oportunidades, também um pouco à semelhança do que o Barça (não) fez em Londres a meio da semana.

Mourinho desenhou a táctica perfeita. Colocou a equipa num estilo ultra-defensivo, numa cópia clara do que já tinha feito 2 anos antes com o Inter na Catalunha. Em 4x5x1 desdobrável para 4x3x3, apostou num meio campo coeso formado por Alonso, Ozil e Khédira. Nas alas, Ronaldo e DiMaria tinham ordens para fechar as alas perante as intromissões ofensivas de Dani Alves, Tello, Adriano e Iniesta e para sair para o contra-ataque sempre que possível. Na frente, Benzema era o único que tinha ordens para não defender e tinha como missão fazer pressão alta aos jogadores lá de trás (Mascherano e Puyol) de modo a evitar, pressionar e complicar a construção que é feita de trás pelo Barcelona.

O ataque do Madrid resumia-se exclusivamente ao contra-ataque.

Já Pep foi traído nas suas escolhas. Muito se pode dizer sobre este Barcelona. Certo parece-me dizer que psicologicamente começa a ser difícil a Guardiola motivar os seus púpilos para vencer. O ciclo do futebol é mesmo este: quando uma equipa constituída genericamente pelos mesmos jogadores (como o Barça) vence tudo o que tem para vencer (variadas vezes em variadas competições) na última década, começa a necessitar de caras novas, de um novo ciclo.

De Mourinho já se esperava o que aconteceu em Nou Camp. Os primeiros minutos mostraram um Real retraído, defensivo, pressionante no meio campo e capaz de resolver os problemas de maior que o ataque do Barça ia causando esporadicamente para numa 2ª fase partir em velocidade para cima da defensiva do Barça, ora por Benzema ora pelas intensas arrancadas de Cristiano Ronaldo. Iniesta e Xavi tentavam construir mas Sérgio Ramos e Pepe não davam veleidades no último reduto dos madridistas. Messi andou dentro e fora do jogo. Quando esteve dentro tentou as suas incríveis jogadas pelo centro do terreno. Quando isolado na cara de Casillas não foi capaz de finalizar ao seu jeito.

E o Madrid aproveitou logo nos primeiros minutos da partida, num lance onde Victor Valdés acaba por ter culpas partilhadas com os seus centrais: o guardião do Barça saiu em falso e Khédira, embrulhado na pequena-área conseguiu (parece-me em fora-de-jogo) dar o toque desejado ao cabeceamento de Pepe.

E o Real começava a surpreender.

O Barça enervou-se com a ousadia do Real e tentou sair para o meio-campo Madridista em busca do empate. À “ausência” de Messi em certas partes do jogo, Iniesta tentou fazer de Messi e por várias vezes tentou ele furar a defesa madridista. No entanto, exceptuando as perdidas de Messi e Aléxis na 2ª parte, Casillas não teve grande trabalho durante a partida.

Na 2ª parte, um pouco mais do mesmo. O Barça carregou muito no ataque, mas no fim, o jogo dos catalães resume-se ao ditado de “muita parra e pouca uva”. O Real continuou fechadinho na defesa e assente no contra-ataque. A eficácia do Barça foi escassa. Tello teve tudo para o empate mas atirou muito por cima. Aléxis entrou e marcou com alguma sorte. Fabrègas (encostado injustamente a uma ala) e Pedro Rodriguez (entrado numa fase de desespero) foram soluções infeliz que vieram do banco catalão.

Até que Ronaldo calou o camp-nou num lance de jogador.

Mourinho e os seus jogadores geriram a vantagem com muita tranquilidade. Do banco madridista, o português colocou Granero em campo para continuar a segurar o reforçado meio-campo Catalão. Callejón entrou para segurar a bola lá na frente e Higuaín já entrou para queimar tempo em período de descontos. No campo, os que lá estavam continuaram a segurar os ímpetos do ataque catalão e pelo meio, ora Coentrão ora Ronaldo iam quebrando o ritmo de jogo do Barça com algum anti-jogo.

E Mourinho vence justamente o título.

Guardiola assumiu a derrota e deu os parabéns ao português pelo “campeonato” – o Barça atira literalmente a toalha ao chão no que diz respeito a Liga Espanhola. E deve recuperar rapidamente pois na quarta-feira terá Di Matteo e o Chelsea a praticar mais um pouco da receita Mourinho.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Populismo vs Serenidade

A “França Forte” à custa de um discurso nacionalista, anti-imigração, copiado à extrema-direita e suavizado para massas. 

A França das boas intenções. Social, multicultural, mais distânciada de Merkel em relação a Sarkozy, simples, humilde. Hollande é a esperança da esquerda para contrariar o domínio hegemónico dos partidos de Direita na Europa.

Com as etiquetas , , , , , ,

Pedro Rosa Mendes

“Paulo Portas diz que isso é uma falta de respeito à comunidade internacional (se a comunidade internacional deixar de agir). Ele que cuide dos problemas que Portugal tem. Nós respeitamos o povo português e eu tenho, não digo admiração, mas um respeito muito particular para o Paulo Portas, por ser um homem culto e inteligente, custa-me acreditar que se vá a reboque de Angola por causa dos petrodólares. Isso é uma vergonha”

Daba Na Walma, tenente-coronel do exército guineense.

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Quem és tu azeiteiro?

Um país cuja comunicação social dá interlúdio ao Boss AC só pode ser um país sem notícias.

Um país cuja populaça dá 3 milhões de visitas a um single do Boss AC só pode ser um país de iletrados, dementes ou analfabetos.

Um artista (artista?), neste caso o Ângelo, que pensa que o seu single é “o novo hino de uma geração” só pode pertencer a uma geração muito rasca. (não me estou a apropriar da propriedade intelectual do Vasco Pulido Valente porque o Vasco Pulido Valente não percebe nada de nada sobre a nossa geração).

Boss pá, toda a gente sabe que és um G e que és um grande artista (artista?) mas pá, por favor, retira-te, não havia necessidade.

Com as etiquetas , , ,

Antes havia

O Franco (antigo internacional alemão; actual treinador nos austríacos do Sturm Graz) que tinha o apelido que era Foda.

Faz parte do mítico imaginário do nosso CM Database.

Na Áustria, a Foda de uma Aldeia é outra. Ler aqui a Fucking que é dar um nome diferente a uma aldeia.

Com as etiquetas , , , , ,

O vosso blogger previu e acertou

Basta ler excertos da notícia de hoje do Jornal Público e ler todos os posts que tenho escrito sobre algumas das medidas deste governo:

“A receita total do Estado está a cair 4,4%, sobretudo à custa do abrandamento ou mesmo da quebra das receitas fiscais. Ao contrário da subida que o Governo está a prever para o global do ano, as receitas provenientes dos impostos estão a cair 5,85, tanto nos impostos directos (IRS e IRC) como nos indirectos (IVA, Imposto sobre Veículos e Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos)”

Anotamento meu: A quebra das receitas fiscais por via da diminuição do rendimento dos contribuíntes, ora por aumento do desemprego ora por baixa progressiva dos salários e a diminuição do rendimento disponível para consumo.

“O mesmo parece verificar-se na despesa, que está a crescer 3,5% no Estado.”

Anotamento meu: Porque o Estado saneou mais um buraco negro, desta feita, o da RTP. Mais de 300 milhões de euros foram oferecidos de bandeja para uma estação televisiva cujo administrador era o gestor público mais bem pago deste país ao nível salarial, tendo um vencimento de cerca de 250 mil euros anuais.

“A contribuir igualmente para o aumento da despesa estão os encargos com juros, que dispararam 221,5% no primeiro trimestre, uma tendência que o Executivo atribui a um forte efeito de base: é que, no primeiro trimestre de 2011, o montante de juros pagos foi muito inferior ao verificado no início deste ano.”

Anotamento meu: em virtude das sucessivas e ruinosas emissões de títulos de dívida a curto-prazo do inteligente do Teixeira dos Santos, e, o respeitinho que os mercados tinham pela eleição presidente de Cavaco Silva, factor que ainda hoje estamos por descobrir.

“O montante é inferior em 301 milhões em relação ao saldo registado ao fim dos primeiros três meses do ano passado. Esta quebra do excedente em 55% resulta, em parte, de um aumento da despesa de 7,1%, por causa do aumento de pensões, subsídios de desemprego e apoios ao emprego.”

Anotamento meu: Tudo certinho até ao ponto em que se mencionam os ditos “apoios ao emprego”

Estamos no bom caminho. Que Zeus proteja a Espanha. Se eles caírem, vamos de atrelado.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , ,

The Big Pink – Dominos

The Big Pink — “Dominos” — Álbum: A Brief History of Love (2012)

Com as etiquetas ,

Que trio de ataque

Que trio de ataque que estou a ver agora na RTP Informação a comentar o Athletic vs Sporting.

Comecem por Jorge Gabriel, o apresentador de Televisão que um dia disse que o Rodrigo Tello “era o melhor médio-ofensivo a jogar na Liga Portuguesa”. No currículo, conta com uma brilhante passagem de meia época pelo Arouca, na altura, na Distrital de Aveiro.

Juntem-lhe Luis Campos. O mega manager que conseguiu cometer a proeza de descer na mesma época as 3 equipas que desceram da 1ª à 2ª liga.

Completem com José Peseiro em directo da Madeira.

Perguntas incómodas a Peseiro, relativas ao malogrado ano de 2005. AZ Alkmaar, motivação para a final, e como perder o título e a Taça Uefa em 4 dias.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , ,

ditames de um filantropo que enriqueceu especulando

“Se tivesse de investir seria contra o Euro”

George Soros pôs o euro a Soro.

Enriquecer especulando a moeda. Filantropia de bordel vinda de dinheiros sujos, obtidos à custa da especulação que causa sofrimento às populações.

Com as etiquetas , , , , , ,

Infeliz

Sim, o Vitor Louçã (sim, é inacreditável como é que uma família consegue produzir um dos mais brilhantes economistas do país e outro que ficará para a história do país como um dos piores ministros que o país alguma vez teve) Rabaça Gaspar foi engraxar as botas à Christine Lagarde e aos seus funcionários de 3ª linha de Washington que nós Portugueses estamos dispostos a trabalhar mais e a passar mais sacrificios para sair deste problema que o “endividamento extremo” de Sócrates (segundo palavras do próprio Gaspar) provocaram ao país.

Apetece-me chamar uma catrefada de nomes a este sujeito: chulo, cabrão, carrasco, filho da puta, otário, autista, mentiroso, escroque, pândego e por aí adiante.

Fico-me mesmo pelo autismo.

É um imenso autismo. Gaspar é autista desde o dia em que chegou ao Ministério. Não se toca, não se apercebe da realidade que o rodeia, só conhece números, não conhece o país e o pulsar da nefasta vida de milhões de Portugueses. Ou então mente para parecer bem. Vira o rabo em Washington à cata de mais uns milhões que salvem os desvios colossais que este governo também está a cometer.

O que te vale Gaspar, é que a Espanha também vai sofrer uma intervenção e tu terás que pedir um 2º pacote de ajuda e terás que te demitir. Quando vires as Zaras e as Mangos e as LIDL´s e as Leclercs a ir embora do país porque o capital investido teve que ser retirado para tapar buracos e reinvestir nas unidades dos países-mãe, verás este país a cair vencido no chão, roto, falido.

E o dia está próximo não te esqueças. O que é certo é que os teus amigos burocratas irão dar-te a mão e colocar-te-ão num gabinete em Bruxelas ao lado desse mito chamado Vitor Constâncio.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,