Monthly Archives: Outubro 2011

Tinha dito

A 3 de Agosto , neste mesmo blog, no post que pode ser visto aqui, disse acerca da primeira sessão do julgamento do antigo ditador Egípcio Hosni Mubarak: “É um sério aviso para Mohammar Khadafy e para Bashar Al-Assad da Síria.

Ao verem as imagens deste julgamento, ficaram com a noção que se não defenderem a sua posição, terão o mesmo fim trágico do ditador egípcio. Claro que este sentimento irá dar mais força aos dois regimes para conseguirem dominar o seu território, se bem que no caso Líbio, a NATO já está no terreno.”

Enganei-me por pouco nos factos.

Mubarak continua vivo e continua a ser julgado no Cairo. Já Khadafi caiu num ataque de guerrilha.

Confirma-se o ditado: Quem pelos ferros mata, pelos ferros morre.

Al-Assad será o próximo.

 

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

End

O fim de mais um ditador.

O início de mais uma guerra civil pelo poder.

Mais um país que vai ser sugado pelas mega corporações norte-americanas.

 

Com as etiquetas , , , ,

Restart (2)

No passado sábado, supostas transferências contínuas de vírus informáticos através do servidor em que estava alojado o blog antigo não permitiam postar.

Depois de contactado o servidor e deste ter respondido com a promessa de ultrapassar o problema gerado com a maior brevidade, vários dias se passaram e nada disso veio a acontecer. Dado que já ponderava migrar o blog, acabei por fazê-lo para a WordPress até porque creio que este ainda não registou uma afluência que o faça carecer de utilização num domínio privado.

Voltamos então à blogosfera por mão da WordPress e voltamos com o espírito redobrado.

Este blog tem a partir de agora um novo restart.

 

Com as etiquetas , , , , ,

parlamentarices

Heloísa Apólonia questionou, e muito bem o primeiro ministro, acerca dos limites que eram consideráveis da “sua austeridade” para o povo português.

Mansinho, o primeiro-ministro respondeu: “os meus limites para estas medidas de austeridade são os limites da ética social”

Desmístifico os termos “ética” e “social” e de seguida passo a uni-los.

Segundo o dicionário da Porto Editora que possuo, ética é “o domínio da filosofia que procura determinar a finalidade da vida humana e os meios de a alcançar; a moral; a ciência da moral.

Já social, designa-se no mesmo como “pertencente ou respeitante à sociedade; sociável; referente a sociedade comercial ou industrial; diz-se dos problemas que visam à organização e à satisfação das necessidades dos indivíduos em sociedade; relações sociais; convivência.

Adequamos portanto as premissas ao todo.

As premissas que interessam para a afirmação do primeiro-ministro são “o domínio da filosofia que procura determinar a finalidade da vida humana e os meios de a alcançar” e “a moral” no caso do termo ética, e, “diz-se dos problemas que visam à organização e à satisfação das necessidades dos indivíduos em sociedade” no que resta ao termo “social”.

Se o limite da austeridade deste primeiro-ministro e do seu governo é o limite da ética social, pelas premissas com que me guio e pelas medidas ontem apresentadas, a sua ética está a caminhar por moldes errados, os problemas que visam as suas soluções não estão a ser resolvidos e muito menos estão a ser atendidas as satisfações das necessidades dos indíviduos na sociedade portuguesa.

Qual é afinal o limite?


Com as etiquetas , , , , , , , , ,

É já amanhã

Luta pelos teus direitos!

6 outras cidades Portuguesas associaram-se ao evento com manifestações à escala regional: Porto, Coimbra, Faro, Braga, Funchal e Santarém.


Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , ,

Gosto do emblema!

Não sei se já tinham reparado, mas não há clube mais tuga que o Pero Pinheiro!

Com as etiquetas , ,

Os Moribundos

Algumas semanas atrás, dizia, numa conversa informal com uma amiga, numa daquelas conversas tardias em que o sono nos faz debitar sinceridade, que temo pelo futuro deste país. Ou pela inexistência dele, principalmente para as novas gerações.

Tanto foi dito até aqui que os argumentos e os cenários traçados são incontáveis.

Se até hoje o pobre povo Português, asfixiado pelo grande capital e pelo governo, se encontrava numa posição moribunda, hoje, com o discurso do nosso primeiro-ministro, foi decretada a sentença de morte a milhares.

O discurso não foi de índole Malthusiana, mas roçou-a por momentos. Os pobres não merecem morrer para que a sociedade se mantenha auto-suficiente, mas como diria Keynes, a auto-suficiência do capitalismo através da exclusividade da auto-regulação dos mercados como forma de superar as crises terá custos e um desses custos será obviamente o próprio sistema a conseguir evoluir de forma sôfrega por cima de milhares de cadáveres.

Cadáveres. É o que nós, portugueses, nos tornámos para este governo para que o país se auto substenha.

Primeiro foram os aumentos do IVA nas facturas do gás e da electricidade, o aumento das tarifas transportes, a retirada de 50% do subsídio de natal a todos os que tem rendimentos superiores ao salário mínimo. Depois vieram os cortes em vários sectores, diminuíndo claramente a qualidade do Serviço Nacional de Saúde e o acesso ao mesmo por parte daqueles que tem menos rendimentos com o aumento previsto das taxas moderadores para o próximo mês de Janeiro, os cortes na educação e no ensino superior, na Segurança Social e o não acompanhamento das políticas que outros estados europeus estão a fazer ao nível do taxamento das mais-valias bolsistas e do próprio capital.

Tudo em nome de uma posição muito frágil do Estado Português e das suas contas públicas. Pedro Passos Coelho enaltece o esforço dos portugueses, mas este não é suficiente. É preciso sufocar mais para que se atinjam os resultados. É preciso atirar areia para os olhos do povo e ganhar tempo porque o pior ainda está para vir. Entretanto, as melhorias económicas que o Ministro das Finanças fazia prever para 2013 já não se vão sentir porque 2012 será um ano ainda pior que este. A roda continua a rodar e o discurso, ano após ano tem sido este: recessão, recessão, impostos e mais impostos.

Passos Coelho anunciou hoje que os funcionários públicos e pensionistas com rendimentos mensais superiores a 1000 euros mensais não irão receber o 13º e o 14º mês no ano de 2011 e 2012. As pensões serão congeladas e as únicas que irão sofrer actualização são as pensões mínimas.

Pelo meio, Passos Coelho fala em off-shores. Não viu os dados que indicam que os Portugueses investem mais noutros países do que em Portugal (caso da Holanda). Não é capaz de arranjar forma de punir aqueles que optam pela ilegalidade de outros off-shores em vez de investir em Portugal e ajudar a combater o flagelo do desemprego. Estamos perante um país onde o grande capital, pode enriquecer quanto quiser e passa completamente incólume aos sacríficios da crise.

Falando em grande capital, cada trabalhador tem que trabalhar mais meia-hora diária em substituição da descida da taxa social única. Estamos a falar de um roubo de mais um direito adquirido pelo povo português. E já agora, essa meia-hora irá reverter para quem? Para o patronato? Para o Estado? Para um ou para outro, a resposta a esta medida chama-se escravidão. O Governo Português vota o seu povo à escravidão em prol dos interesses do euro, dos bacharéis do FMI que vêem em Portugal, Grécia e Irlanda um bom ensaio para as suas teorias muito próprias e em prol dos interesses hegemónicos Franco-Alemães na “des” União Europeia.

Estamos portanto a ser manietados por eles, a seu bel-prazer.

Que podemos esperar de um governo que rouba o suor ganho legítimo dos seus cidadãos? Que podemos esperar de um governo que trata os seus cidadãos como miseráveis que devem ser deixados a morrer à fome, à sede e possivelmente sem dinheiro que lhe permita usufruir dos cuidados médicos dignos caso as taxas moderadoras aumentem para valores incomportáveis para as parcas bolsas dos Portugueses?

Pelo meio, o nosso primeiro-ministro mente. Mente em relação aquilo que foi dizendo aquando da sua estadia da oposição e das promessas deixadas na campanha eleitoral. Os escudos de defesa para a implantação destas medidas são os mesmos e já começam a ser de amplo conhecimento público: quando estavamos na oposição não tínhamos a noção de como se encontrava o país; temos de cumprir as nossas obrigações contraídas no Memorando de Entendimento e as obrigações a que nos propusemos cumprir com os nossos parceiros europeus.

Afinal de contas, aquando da apresentação do programa de governo, Passos Coelho voltou a mentir ao povo, quando afirmou que as medidas que estava a apresentar seriam suficientes, quando afirmou que as primeiras medidas aplicadas (aumento do IVA para a electricidade e gás; diminuição da comparticipação estatal em alguns medicamentos; imposto extraordinário sobre o subsídio de natal) seriam suficientes para cumprir os objectivos para este ano e afinal não o são e a carga continua dia após dia.

Na súbida do IVA para o valor de 23% sobre a restauração, Passos Coelho está: a diminuir o consumo, a obrigar que muitos tenham que fechar portas, a contribuir para o desemprego (tanto directo como indirecto) e a diminuir a exportação do país. Passos Coelho e o seu governo abrem 5 feridas numa só medida. Para quem necessita de recuperar uma economia, estranhamos as melhorias que o governo possa pretender com tal medida.

Como é que Passos Coelho vai explicar aos funcionários públicos que estes vão ser tratados de forma desigual em relação aqueles que executam os mesmos trabalhos no privado? Como é que os trabalhadores do privado irão entender que terão que trabalhar mais meia-hora em nome do enriquecimento de outros? Como é que os comerciantes, abalados pela perda de poder de compra dos seus clientes vão entender que os sinais dados pelo governo não são mais do que sinais emitidos para os fechos dos seus negócios, para a dificuldade de sustento dos seus e para despedimento dos seus funcionários e consequente despedimentos nos seus fornecedores?

E os jovens? Que futuro tem os jovens neste país? Que futuro tem um país que despreza os quadros técnicos de amanhã, cortando a torto e a direito no ensino básico, secundários e superior? E a fome encapotada que estas medidas vão gerar, a insatisfação, a insurreição, a criminalidade e a violência que se pode instalar?

É por isso que temo por este país. Os jovens tenderão a emigrar porque a casa está a arder. O comum trabalhador, que durante 8 ou mais horas dá o seu físico em prol do enriquecimento de outrém irá começar a perceber que está a ser roubado. O comum trabalhador que já não consegue por cobro às suas obrigações pelo encarecimento destas irá passar fome e irá desesperar por não ser capaz de colocar comer na boca dos seus filhos. A fome será tão visível. Não existe nada pior que a fome e a revolta de uns não terem de comer e outros ostentarem belos e lustrosos iates. Mas os iates não serão taxados de impostos assim como todos os produtos de luxo importados. A riqueza manter-se-à ou tenderá a aumentar. A fome, essa será negra e irá gerar violência, roubo e criminalidade. A miséria social instalar-se-à.

É por isso que temo por este país.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Reciclar para Medicar

A Saúde em Português, Organização Não-Governamental sediada em Coimbra cujos objectivos podereis ver clicando em cima do link, está a levar a cabo uma campanha chamada “Reciclar para Medicar”. Trata-se portanto de uma campanha de cariz humanitário que consiste na recolha de tampinhas de plástico (água, iogurtes, leite, detergentes) para arranjar fundos para criar uma estrutura de armazenamento / acondicionamento destinada a Banco do Medicamento.

Assim, todos os interessados deverão guardar as tampas que conseguirem e entregá-las na sede da Saúde em Português, na Avenida Elísio de Moura nº417, 1º E, em Coimbra, ou nos postos de recolha delineados sendo os seguintes:

– Café com Arte (Avenida Elísio de Moura)
– Pastelaria Zizânia (Avenida Dias da Silva)
– Café Montes Claros (Rua António José de Almeida, junto à Residência Universitária)
– Café Metropolis
– Restaurante Azucar
– Bar ChillOut (GÓIS)

Toca a ajudar quem necessita!

Com as etiquetas , , , , , , , ,

Sensible Soccers no CITAC

“Ao imaginário do videojogo “Sensible Soccer” (plataforma Amiga, 1992), arremedo de nostalgia pixelizada, aliam-se as cadernetas de cromos (marca Panini) de jogadores de futebol da Europa de Leste, pré-queda do Muro de Berlim, com bigodes à Antonín Panenka e penteados à Chris Waddle (a mais influente personalidade britânica para além da Cortina de Ferro desde os Beatles).

Em vez de microprocessadores 8-bit, porém, os Sensible Soccers (…) tocam guitarras e teclados à séria, compondo atmosferas de pendor electrónico mas com uma forte raiz instrumental. Ou seja, procuram criar algo novo e concreto a partir de uma abstracção de base simbólica, que lhes serve de cenografia conceptual.

O EP homónimo de estreia tem o selo da editora checa AMdiscs (Europa de Leste, naturalmente) … . Quatro faixas de toada ambiental (como que krautrock em downtempo), pautadas por um imenso poder de sugestão imagética e sensorial, pecando apenas pela ausência de vocalização. (…)

Não obstante, trata-se de um auspicioso primeiro ensaio, a abrir o caminho para novos e mais altos voos de sensibilidade pop (…). Com um ponto alto que dá pelo nome de “Missé Missé”, a encerrar as hostilidades: eis quando a torrente de energia dos Sensible Soccers melhor se explana no tempo e no espaço, catapultando a imaginação até aos píncaros (…).”

in FACT por Gustavo Sampaio

Por isso, o CITAC e a Put Some convidam todos a assistir à estreia do lançamento do EP dos Sensible Soccers no Sábado pelas 23:59 no Teatro Estúdio do CITAC em Coimbra.

A 1ª parte está assegurada por LATIN PEOPLE WITH BREATHING PROBLEMS e a After-Party por um dj set de AFONSO MACEDO [put some / quebra orelha]

Entrada 3 euros.

Com as etiquetas , , , , , , , , ,

Como?

1. Yannick Djaló foi vendido ao Nice após alguns dias de negociações entre o clube francês e o Sporting.

2. Domingos Paciência abriu mão de um jogador que, especulando-se agora que não contava para as contas do Sporting, tinha sido titular nos primeiros jogos da temporada mas estava a ser muito contestado pelos adeptos.

3. O Sporting verificou as garantias bancárias do clube francês e estava tudo em ordem. Em tempo útil, o jogador concordou com o contrato oferecido pelo Nice e desvinculou-se do Sporting, tendo de imediato o clube enviado os seus direitos desportivos bem como o seu certificado internacional.

4. O Nice, por imbecilidade dos seus dirigentes ou do seu secretariado, não inscreveu o jogador a tempo na Liga Francesa, mas, em contra partida, o Sporting retirou-o da lista definitiva de inscrições para a Liga Portuguesa.

5. O caso foi para a FIFA. A FIFA não abriu excepção. O caso foi para o tribunal desportivo. Este também não abriu excepção.

6. Yannick Djaló tem um contrato com o Nice até 2015. O Sporting vendeu o jogador e nem sequer se põe a hipótese do seu regresso.

7. A conclusão que tiro é que o Nice arrependeu-se à última hora da compra que fez. Temos paciência. Aguentem lá com ele que nós também o aguentamos tempo demais.

Com as etiquetas , , , , , ,

Cavaco lúcido

Eis que o nosso presidente da república assumiu, pela primeira vez, um discurso lúcido. Eis os trechos de tão fabuloso estado de lucidez, os quais concordo (outros, não concordo, como é o caso dos trechos em que Cavaco Silva convida as instituições bancárias a re-financiar os bancos):

“Em primeiro lugar, o euro não é a causa da crise. As causas radicam, por um lado, nas políticas erradas, nomeadamente orçamentais e macroeconómicas, seguidas pelos Estados membros e, por outro lado, numa deficiente supervisão por parte das instituições europeias. A responsabilidade por esta crise é claramente partilhada pelos Estados membros e pelas instituições europeias.”

” Alguns criticam o Tratado de Maastricht, a cuja assinatura tive a honra de presidir, enquanto Presidente do Conselho Europeu, em 1992. Dizem que as dificuldades actuais vêm das insuficiências do Tratado. Esquecem, desde logo, as circunstâncias: o Tratado da União Europeia foi negociado há vinte anos, a globalização estava ainda a emergir, a UE tinha 12 membros, o muro de Berlim tinha caído há apenas dois anos, os novos actores económicos da era global ainda pouco se afirmavam. O mundo era diferente.”

“A Comissão e o Conselho não fizeram tudo o que lhes competia para corrigir as situações de défice excessivo. E é bom lembrar a quebra de credibilidade do Pacto de Estabilidade e Crescimento provocada pelo próprio Conselho, ao tudo fazer para que passasse incólume a violação dos limites do défice orçamental por parte da Alemanha e da França, nos primeiros anos deste século.
Foi um mau sinal para os mercados: a União Europeia estava pronta a renunciar ao rigor dos critérios, em favor de considerações e circunstâncias políticas impostas por interesses nacionais. Como alguns de vós se recordarão, houve, até, quem, para justificar o ajustamento das regras do Pacto, lhe tivesse chamado “estúpido”.”

” Perante a evidência da crise, a União tardou a reconhecer a sua natureza e a sua escala e tardou a dar-lhe a resposta que se impunha. Enredada numa retórica política de recriminações mútuas, evitando reconhecer a responsabilidade partilhada, ignorando a evidência dos riscos de contágio, hesitando na solidariedade, oscilando nos instrumentos a usar, promovendo uma deriva intergovernamental, a União Europeia deu guarida a uma crescente especulação sobre a zona euro, alimentando as incertezas sobre o próprio futuro da moeda única. Ora, o que os mercados estão a testar é precisamente a existência de uma verdadeira e consistente União Económica e Monetária.
Recordo palavras de Jean Monet. Cito: “Não temos senão uma escolha: entre as mudanças para onde seremos arrastados ou aquelas que decidimos por nossa vontade realizar”. De novo hoje nos confrontamos com essa escolha: ou enfrentamos a crise com as medidas que se impõem ou seremos arrastados por ela para mudanças imprevisíveis e incontroláveis que põem em risco a própria União Europeia.
O tempo que enfrentamos exige acção e acção rápida. Os mercados não esperam por discussões labirínticas e negociações intermináveis. Custa a compreender, por exemplo, que as positivas decisões do Conselho Europeu de 21 de Julho ainda estejam prisioneiras de obstáculos políticos e formais. Tal como é inadmissível o happening quotidiano de discursos divergentes por parte dos líderes europeus. Este tempo exige, mais do que nunca, convergência, solidariedade e responsabilidade sem falhas.
Num ponto começa a haver convergência quase generalizada: um Estado da zona euro sob dificuldades não pode ser deixado cair em incumprimento descontrolado, sob pena de criar um efeito dominó de consequências imprevisíveis para o próprio projecto de integração europeia. O fracasso do euro poria em causa o mercado interno, alimentaria o retorno de nacionalismos e proteccionismos, enfraqueceria a Europa na cena internacional.”

“A situação excepcional e de verdadeira emergência a que chegámos reclama mais do BCE. É necessária uma intervenção mais ampla e previsível no mercado da dívida soberana dos países solventes que enfrentam problemas de liquidez, a disponibilidade para uma intervenção ilimitada no mercado secundário, como defende Paul de Grauwe. Não se trata de operar uma intervenção descontrolada e de risco sem medida. Trata-se de um compromisso credível para matar cerce a especulação e garantir, por essa via, as condições para o funcionamento dos mercados da dívida soberana num quadro de estabilidade e confiança.”

“A este propósito, não escondo a preocupação com que venho assistindo, nos últimos anos, à desvirtuação do método comunitário. A deriva intergovernamental está a contaminar o funcionamento institucional da União Europeia. Em vez de uma mobilização convergente, e de uma responsabilidade solidária por parte de todos os Estados e instituições, vamos constatando a emergência de um directório, não reconhecido, nem mandatado, que se sobrepõe às instituições comunitárias e limita a sua margem de manobra. Este é um caminho errado e perigoso. Errado por que ineficaz. Perigoso por que gerador de desconfianças e incertezas que minam o espírito da união.
O caminho certo é o do método comunitário, como a história da integração europeia eloquentemente demonstra. Foi com o método comunitário que a integração europeia se aprofundou e afirmou. Com a Comissão a constituir o centro de gravidade da iniciativa, o braço executivo das políticas e das acções comuns e o guardião dos Tratados. Ao Conselho Europeu, e não a um directório de alguns países, cabe a orientação política, e ao Conselho de Ministros cumpre tomar as decisões que enquadram a acção comunitária. É esta a fórmula institucional que garantirá a união da Europa.

Volto a repetir: a governação económica da zona euro tem de ser mais imperativa, rigorosa e eficaz. Mas é a Comissão Europeia que deve ser a charneira institucional para realizar, com equilíbrio e eficácia, essa missão.”

Instituto Universitário Europeu, Florença, Itália, 12 de Outubro de 2011

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Pois era…

Tão natural como empatar com o Chipre a 4-4 bolas e perder com a Noruega.

Ou ir a playoff contra a Bósnia.

Costuma-se dizer que quem está de fora racha lenha.

Seminário Final – Mercadoria Humana

A Saúde em Português vem por este meio convidar a todos|as a participar no Seminário Final do Projecto Mercadoria Humana – Projecto de Sensibilização em Tráfico de Seres Humanos. Este projecto é financiado pelo Programa Operacional do Potencial Humano através da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

O Seminário tem os seguintes objectivos:

1)Apresentar os resultados do projecto Mercadoria Humana

2)Promover o debate sobre a temática do Tráfico de Seres Humanos: Partilha de experiências e perspectivas de intervenção

3)Divulgar Boas Práticas Nacionais e Internacionais na área do Tráfico de Seres Humano

4) Promover a consciencialização de todos para o papel activo que deverá ser adoptado no combate asituações de tráfico humano.

Saúde em Português informa ainda que o referido Seminário está aberto ao público em geral mediante uma inscrição prévia.

Pode requerer a sua ficha de inscrição através do : info@saudeportugues.org ou mercadoriahumana@saudeportugues.org.

INSCRIÇÃO GRATUITA

Mais informações, por favor, contacte-nos: 239 702 723 / 96 009 29 89
Participe!

Nota: O Seminário irá realizar-se na sala de conferências do Hotel Tivoli em Coimbra.

Com as etiquetas , , , , , , ,

futeboladas

Última jornada. Consagração dos apurados, festa menor daqueles que tem oportunidade de ir ao playoffs ou desilusão daqueles que tinham o objectivo de se apurar nos grupos e tem que ir disputar esses mesmos playoffs, e jornada de honra dos vencidos.

Grupo A

http://video.rutube.ru/4822656e8a0ff8e351b4c275e9a62ccd

A Alemanha decidiu a sorte Belga bem cedo. Em Dusseldorf, Ozil (30m) Schurrle (33m) e Gomez aos 48, sem que Joaquim Low tenha mexido em muito no habitual 11 da Manschaft, decidiram a eliminação da Bélgica em prol da ída da Turquia aos playoffs.
Marouane Fellaini apontou o tento de honra dos Belgas, cujo seleccionador George Leekens voltou a apostar em Witsel a titular e Defour a suplente.

O avançado Buruk Yilmaz resolveu a qualificação turca para o playoff final. Será mais oportunidade para a selecção do eféso. 

Casaquistão e Áustria empataram 0-0 em Astana.

A Alemanha ganhou o grupo com pleno de 30 pontos. A Turquia foi 2ª com 17, a Bélgica 3ª com 15, a Áustria com 12, Azerbeijão com 7 e Casaquistão com 3.

Pontos altos do grupo:
1. A vitória da Alemanha nas 10 partidas com um total de 34 golos. Joachim Low renovou em pleno a sua selecção após o mundial 2010 e a Alemanha aparece novamente com um meio campo que emana a maior qualidade possível dentro do futebol europeu: Mario Gotze, Mezut Ozil, Sami Khédira, Bastian Schweinsteiger, Marko Marin, Toni Kroos, Piotr Trochowski, Christian Trasch e Simon Rolfes são grandes mais-valias para qualquer selecção. Miroslav Klose (9) e Mário Gomez (6) marcaram 15 golos dos 34 Alemães. Klose não tem sido opção desde o verão que marcou a sua mudança para a Lázio de Roma. Não entanto, nada me espanta que, mesmo com a ascenção de André Schurrle à equipa principal da Mannschaft, Joachim Low tenha de chamar o experiente avançado para o campeonato da europa.
2. A vitória turca em casa contra a Bélgica por 3-2 e o empate na Bélgica por 1-1. Arda Turan mostrou-se um jogador importante e decisivo na campanha turca. Apontou o 3-2 contra os Belgas, e o golo da vitória frente ao Casaquistão aos 96″ desse jogo.
3. O empate caseiro da Bélgica contra a Áustria 4-4, com o empate Austríaco a surgir aos 90+3″.
4. As maiores goleadas do grupo: 6-2 da Alemanha à Áustria em Setembro, 6-1 da Alemanha ao Azerbeijão em Setembro de 2010

Grupo B

A Rússia não vacilou e goleou Andorra por 6-0 qualificando-se directamente.

A República da Irlanda terminou com o sonho da Arménia. 2-1 foi o resultado. A Irlanda segue para playoff enquanto a Arménia acaba uma qualificação de sonho onde conseguiu 17 pontos.

Macedónia e Eslováquia empataram a 1 bola.

O grupo termina com a vitória da Rússia com 23 pontos. República da Irlanda vai ao playoff com 21. Arménia 17. Macedónia 8. Andorra 0.

Momentos altos deste grupo:
1. A vitória da Irlanda na Arménia na 1ª jornada por 1-0. Fulcral para as contas finais do grupo e para o apuramento Irlandês para os playoffs.
2. A vitória da Eslováquia na Rússia por 1-0 em Setembro de 2010 mostrava uma Eslováquia capaz de decidir o grupo taco a taco com Russos e Irlandeses. Tal não veio a suceder pois um mês depois, os Eslovacos perdiam 2-1 na Arménia.
3. A vitória por 3-2 da Rússia na Irlanda.
4. A vitória Russa em Moscovo contra a Arménia por 3-1 com hat-trick de Pavlyuchenko.
5. O empate da Eslováquia em Dublin mostrava uma selecção Eslovaca muito forte e decidida em lutar com dois cabeças-de-série. Os Eslovacos de Hamsik haveriam por cair nos últimos jogos quando levaram 4-0 da Arménia em casa.
6. A vitória da Rússia na Eslováquia na sexta com aquele golo monumental de Dzagoev.

Grupo C

A Itália venceu a Irlanda do Norte em Pescara por 3-1. Cassano bisou. Prandelli fechou a sua primeira qualificação com 26 pontos.

A Eslovénia, tal como eu tinha previsto no post anterior, complicou a vida aos Sérvios e mando-os fora do apuramento. A Estónia beneficiou desta vitória Eslovena para ir aos playoffs.
O médio do Olimpija Ljubliana Vrsic foi o marcador do único golo da partida.

A Itália apurou-se automaticamente com 26 pontos. A Estónia ficou em 2º com 16 pontos, a Sérvia 3ª com 15. A Eslovénia com 14. A Irlanda do Norte 9 e as Ilhas Feroés com 4.

Momentos altos da qualificação:

1. A derrota caseira da Eslovénia em casa frente à Irlanda do Norte por 1-2.
2. O empate caseira da Sérvia contra a Eslovénia (1-1) e a humilhante derrota caseira contra a Estónia (1-3)
3. A vitória da Itália na Eslovénia por 1-0 com golo de Thiago Motta.
4. O empate entre Sérvia e Estónia em Tallin em Março com Vassiliev a marcar um dos golos decisivos. O outro seria na Irlanda do Norte. Vassiliev acabaria por marcar 5 golos nesta fase.
5. O empate da Sérvia com a Itália e a derrota decisiva em Ljubljana no dia de hoje.
6. A vitória da Estónia por 2-1 contra as Faroes em casa, onde os Nórdicos viram os Estónios virar o resultado já depois da hora.

Grupo D

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=NJcUFmbHquTrPPw1

A França esteve a perder até perto do fim, e com a derrota a Bósnia estava qualificada automaticamente. Depois do balde de água fria de Dzeko no Stade de France, Nasri salvou o orgulho e a qualificação francesa. A Bósnia foi atirada para o playoff como se atira uma batata quente e pode ser novamente o adversário de Portugal. Não será, como tivemos oportunidade de verificar no playoff de apuramento para o campeonato do mundo de 2010, um adversário fácil.

Nos restantes jogos da última jornada, a Roménia empatou na Albânia a 1 bola. Campanha defraudante dos Romenos, que mais uma vez, estiveram a perder até ao minuto 77.

Nas contas finais do grupo, a França venceu-o com 21 pontos, contra 20 da Bósnia, 14 da Roménia, 13 da Bielorrussia, 9 da Albânia (acaba por ser uma excelente fase de grupos para a modesta selecção) e 4 do Luxemburgo (dentro dos possíveis, o Luxemburgo marcou mais pontos do que aquilo que se previa).

Momentos altos deste grupo:

1. O empate caseiro da Roménia contra a Albânia a abrir e o novo empate a fechar. 4 pontos importantes que os Romenos perderam.
2. A derrota caseira da França frente à Bielorussia em Setembro de 2010. Podia antever-se uma Bielorrussia capaz de lutar pelos primeiros lugares.
3. A vitória fulcral da França na Bósnia por 2-0 em Outubro.
4. O empate da Bósnia na Albânia a 1 bola.
5. A vitória da Bósnia em Sarajevo contra a Roménia em Março. Tal resultado, catapultou os Bósnios na fase de grupos para uma excelente prestação.
6. O empate da França na Bielorrussia em Junho.
7. O empate da França na Roménia a 0 bolas descartou todas as possibilidades Romenas de qualificação.
8. O empate Francês ontem. Foi um jogo muito sofrido dos gauleses.

Grupo E

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=Zy2edlnOghirz86Q

Num jogo que interessava a Portugal na decisão do 2º melhor classificado da fase de grupos, bastava apenas que a Suécia não vencesse a Holanda em Estocolmo indiferentemente do resultado de Portugal em Copenhaga. Portugal falhou a vitória e o empate. Num jogo emocionante de reviravoltas, a Suécia bateu a Holanda por 3-2 depois de ter estado a vencer por 1-0 e a perder por 2-1.
Kim Kallstrom, Sebastian Larsson e Toivonen marcaram os golos dos Suecos. Kuyt e Huntelaar os golos Holandeses. Foi a única derrota dos Holandeses na fase de grupos.

Nos outros jogos do grupo, empate entre Hungria e Finlândia em Budapeste e vitória da Moldávia por 4-0 contra São Marino por 4-0.

Contas finais do grupo: Holanda 27, Suécia 24, Hungria 19, Finlândia 10, Moldávia 9, São Marino 0

Momentos altos do grupo:

1. Os 37 golos dos Holandeses no grupo. 12 dos 37 golos Holandeses foram marcados por Klaas-Jan Huntelaar, o melhor marcador desta qualificatória.
2. A vitória caseira da Moldávia sobre a Finlândia na 1ª jornada. Os Finlandeses estiveram muito abaixo daquilo que tinham feito noutras fases. Perderam meses depois em casa contra a Húngria por 2-1, numa fase em que os Hungaros (à semelhança daquilo que já tinham feito aquando da fase em que calharam no grupo de Portugal) mostravam-se interessados em lutar por mais. Boa prestação magiar num grupo muito difícil.
3. O 4-1 da Holanda à Suécia em Novembro de 2010 marcava a vontade Holandesa de vencer este grupo sem mácula. Em Março, a laranja mecânica haveria de dar 4 fora em Budapeste.
4. O 5-3 da Holanda em Março passado à Húngria em Roterdão. Os magiares estiveram a vencer por 2-1 a meio da 2º parte, e a empatar consecutivamente 2-2 e 3-3. Não resistiram nos últimos 15 minutos.
5. O 5-0 da Suécia em Junho à Finlândia.
6. A vitória Húngara em Budapeste contra a Suécia por 2-1 em Setembro indiciava uma pressão dos Húngaros pelo 2º lugar.
7. A vitória Sueca na passada sexta em Helsínquia por 2-1 confirmava o 2º lugar em definitivo. Relembro para fechar que a Suécia jogou alguns jogos sem a sua maior estrela Zlatan Ibrahimovic.

Grupo F

Depois de vencida a Croácia em Atenas na sexta, a selecção de Fernando Santos não pode embandeirar em arco e suou muito para levar de vencida a Geórgia no dia da alegria Grega provida por mais uma qualificação muito difícil. Depois de estar a perder até aos 79″, o golo de Charisteas aos 85″ fez respirar de alívio o povo Grego. Charisteas é um ídolo entre os gregos. Nos últimos 10 anos, todos os golos históricos dos gregos nas competições internacionais tem o cunho do ponta-de-lança: desde o golo que deu a vitória no Euro 2004, aos golos que fizeram apurar os gregos para o euro 2008 e para o euro 2012.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=DV6G039EOdOp1GSb

No outro jogo importante para as contas do grupo, a Croácia fez o que lhe competia, batendo a Letónia por 2-0. Resultado insuficiente. Os Croatas terão que jogar os playoffs.

Israel bateu malta por 2-0.

Contas finais: Grécia 24 pontos, Croácia 22, Israel 16, Letónia 11, Geórgia 10, Malta 1.

Momentos altos do grupo:

1. O empate caseiro da Grécia contra a Geórgia na primeira jornada a 1 bola. Fernando Santos estreava-se mal no comando técnico dos gregos.
2. O empate entre Croatas e Gregos em Zagreb a 0.
3. A derrota Croata na Geórgia por 1-0 em Tiblissi prejudicou em muito as aspirações croatas ao 1º lugar. O 2º lugar estava em risco em Zagreb quando a Cróacia virou um 0-1 favorável a Israel para um 3-1.
4. A vitória Grega sobre a Croácia por 2-1 na sexta-feira.

Grupo G

Já sem grandes motivos de interesse ao nível da classificação, a Suiça venceu Montenegro em casa por 2-0 mas os Montenegrinos vivem uma época histórica para o seu futebol com a passagem aos playoffs.
Na Bulgária, a selecção da casa perdeu contra Gales por 1-0 com golo de Gareth Bale. Esta fase ainda não mostrou a selecção Galesa com o poderio que ela começa a ter. No entanto, a juventude dos novos jogadores galeses é passível de ter em conta na próxima qualificatória para o mundial.

Contas finais do grupo: Inglaterra 18 pontos, Montenegro 12, Suiça 11, Gales 9, Bulgária 5.

Momentos altos do grupo:

1. Na turma Búlgara, há que recordar a renúncia de Dimitar Berbatov. Enfraqueceu uma equipa por completo. A Bulgária apenas marcou 3 golos em 8 jogos. Lotthar Matthaus está com dificuldades na montagem de uma selecção forte e capaz de ombrear novamente com os grandes europeus.
2. Montenegro. A confirmada surpresa. Com défice no ataque (7 golos) mas com eficácia defensiva (também 7 golos). Prometem ser um osso duro de roer no playoff.
3. A vitória de Montenegro na Bulgária por 1-0 com golo de Zverotic.
4. A vitória Inglesa na Suiça por 3-1.
5. O empate da Suiça em Sófia custou caro o apuramento aos Helvéticos.
6. A vitória Galesa por 2-1 contra Montenegro ainda abriu portas aos Suiços para a 2ª posição do grupo, mas estes haveriam de perder na sexta-feira em Gales por 2-0 quando os Montenegrinos faziam empatar a Inglaterra em Podgorica num jogo histórico.

Grupo I

Com a Espanha apurada, havia apenas o 2º lugar em discussão. Com a vitória Espanhola na sexta em Praga contra a República Checa, e a vitória Escocesa no sábado contra o Liechstenstein, era a Escócia quem estava na pole-position para se apurar para os playoffs. No entanto, a Escócia tinha que visitar a Espanha enquanto a República Checa jogava na Lituânia.

Os Checos cumpriram o seu papel e venceram os Lituanos por 4-1. De cadeirinha, assistiram à vitória Espanhola sobre os Escoceses por 3-1 com dois golos de David Silva e outro de David Villa.

http://videa.hu/flvplayer.swf?v=a7oouruAnw960dua

Finalizada esta fase de grupos:

Apurados directamente: Alemanha, Dinamarca, Inglaterra, Grécia, Espanha, Itália, França, Rússia e Holanda.
Melhor 2º: Suécia
Para playoffs: República Checa, Portugal, Croácia, Irlanda – cabeças de série – Turquia, Montengro, Bósnia-Herzegóvina, Estónia.

Nota: Os cabeças de série jogam contra os que não são cabeças de série.

Outros jogos internacionais:

Ásia-Pacífico: 1ª fase de grupos – 3ª jornada (Passam os dois primeiros)

Grupo A – A Jordânia bateu Singapura por 3-0 fora e continua na liderança do grupo A com 9 pontos. A China perdeu 1-0 em casa contra o Iraque. Os Iraquianos tem 6 pontos, os Chineses 3 e Singapura 0.

Grupo B – A Coreia do Sul bateu os Emirados Árabes Unidos por 2-1 em casa. O Líbano empatou com o Kuwait a 1 bola. Os Sul Coreanos lideram com 7 pontos, o Kuwait tem 5 e o Líbano 4.

Grupo C – A Coreia do Norte pode não repetir a presença no campeonato do Mundo. Os Norte-Coreanos perderam em casa contra o Uzbequistão por 1-0.

Já o Japão deu 8 em casa ao Tadjiquistão.
Japoneses e Uzebeques lideram o grupo com 7 pontos. Coreia do Norte tem 3. Tadjiquistão 0.

Grupo D – A Austrália continua o seu passeio. Venceu Omã por 3-0 em Sydney. Tailândia e Arábia Saudita empataram a 0 bolas.
A Áustralia lidera com 9 pontos. Tailândia com 4, Arábia Saudita com 2, Omã com 1.

Grupo E – Carlos Queiroz e o seu Irão venceram os Bahrein por 6-0. O Bahrein tinha sido a selecção que tinha afastado o Irão do Mundial 2010. O Qatar foi à Indonésia vencer por 3-2.
O Irão lidera com 7 pontos. O Qatar tem 5, o Bahrein tem 4 e a Indonésia ainda não marcou qualquer ponto.

COMNEBOL

2ª jornada do campeonato

Depois da derrota por 4-1 em Buenos Aires contra a Argentina, o Chile bateu em Santiago o Perú por 4-2.

A Colômbia sofreu a bom sofrer para levar os 3 pontos de La Paz. Depois de ter estado a vencer por 1-0 com golo de Dorlan Pabon, seria Walter Ponce a empatar o jogo para os Bolivianos aos 84″. Radamel Falcão haveria de aplicar o seu instinto assassino já depois da hora.

Surpresa na Venezuela. A Vino Tinto continua a surpreender meio mundo com os seus resultados. Em Anzoátegui, a selecção da casa venceu de forma categórica a Argentina por 1-0 e promete estar na luta pelos 4 lugares directos que dão apuramento e pelo 5º que dá vaga para playoff.

Paraguai e Uruguai dividiram pontos após empate a 1 bola em Assunción.

O Uruguai lidera o grupo com 4 pontos. Argentina, Equador (1 jogo) Colômbia (1 jogo) Perú, Chile e Venezuela tem 3 pontos. O Paraguai tem 1 ponto. A Bolívia tem 0.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

El extintor

Não é o actual candidato à presidência da AAC, um dos meninos bonitos que se armou em bombeiro no mítico Fórum AAC 2009?

E já agora pergunto: porque é que o candidato, na altura, fez um pacto de silêncio para encobrir os desacatos de pessoas que vieram a assumir preponderância nos destinos da AAC no ano de 2010?

Alguém que me esclareça esta questão, pois 2 anos passaram e eu ainda continuo com dúvidas…

Com as etiquetas , , , ,

A crise bateu à porta da NBA

Em Julho passado, proprietários de equipas e sindicato de jogadores profissionais não chegaram a acordo quanto a um contrato colectivo que permitisse aos primeiros diminuir substancialmente em cerca de 30% os salários colectivos.

Na forja estavam colocadas 9 equipas cujas dificuldades financeiras provocadas até pelo próprio cenário económico vigente faziam com que este acordo se tornasse primordial para a sua sobrevivência.

Em julho, os aficionados da modalidade em todo o mundo não achavam que esta quezília entre patrões e jogadores chegasse ao nível em que está hoje: já se pode dar como certo que não irão ser jogadas as primeiras 2 semanas da fase regular, um pouco à semelhança daquilo que tinha acontecido na década de 90 (19981999) num caso com características similares.

Antes do campeonato da europa de basquetebol, começaram os primeiros rumores que davam conta da eventual saída de jogadores da liga enquanto durasse o lock-out. O primeiro a sair de facto foi Deron Williams, base all-star que representava os New Jersey Nets e que se mudou de armas e bagagens para a Turquia de modo a representar o Besiktas. O Besiktas, clube cujo proprietário se decidiu em investir milhões, também tentou estrelas como Kobe Bryant ou mesmo Derrick Rose. Kobe também haveria de ser apontado ao Kinder Bolonha de Itália.

Outros também afirmaram ponderar assinar temporariamente por equipas dos seus países enquanto durar o lock-out: os irmãos Gasol começaram a treinar-se pelo Barcelona, Andrew Bogut tentou regressar à Austrália para disputar a fase final da liga de basquetebol mas o seu seguro desportivo nos Milwaukee Bucks acabou por impedir o poste australiano por questões contratuais indeminizatórias em caso de lesão contraída noutra equipa que não os Bucks.

Derrick Rose dos Chicago Bulls também já veio dizer que em caso de avanço neste lock-out, poderá vir a rumar à Europa ou até à China. Ginobili treina-se pela Argentina. Bellinelli por Itália. Pietrus e Tony Parker em França. Todos esperam que a trica seja desbloqueada por quem de direito. Caso não seja, avançam por outra solução.

Basicamente, nenhum fã do jogo acreditava neste cenário. Todos acreditavam que perante um percalço, os patrões das equipas iriam ceder à natural vontade dos jogadores: os contratos assinados são para se cumprir até ao fim e não sujeitos a mudança das regras do jogo a meio. No entanto, a máquina de fazer dinheiro que é a liga, deixou de fazer tanto dinheiro. A própria crise económica começou a afastar gente dos pavilhões, principalmente das equipas cujos resultados não estão a ser os melhores nos últimos anos (Minnesota, Golden State, Charlotte, Detroit, Washington, New Jersey, Phoenix) mas cujos salários de jogadores continuam altíssimos e como tal, dispendidos para além das reais capacidades das finanças das equipas. A proposta dos jogadores é que os salários baixem no máximo 5 milhões na totalidade dos casos de jogadores que tenham contratos até 4 anos e um contrato máximo de 5 anos. A Liga pretende que a medida passe para 3 e 4, respectivamente.

O acordo para que o campeonato arrancasse no timing de sempre (30 de Outubro) falhou. As duas primeiras semanas estão riscadas do schedule. Na NBA, não existe tempo para recuperar esse atraso. Aquelas 56 jornadas não irão ser jogadas.

Continua então sob negócio recomeçar a partir do dia 14 de Novembro. Alguns jogadores é que podem não estar interessados em esperar por um acordo que até poderá não acontecer e antes do tempo podem pular para a Europa.

O comissário-geral da Liga David Stern, foi claro ao afirmar:  “With every day that goes by, I think we need to look at further reductions in what’s left of the season. We certainly hoped it would never come to this,” he said. “I think that both sides worked hard to get to a better solution. We think that we made very fair proposals. I’m sure the players think the same thing. But the gap is so significant that we just can’t bridge it at this time.”

Perante tais declarações, o acordo urge mais que tudo visto que do ponto de vista financeiro, tudo pode vir a ser uma catástrofe para a liga e para as equipas: estima-se que um mês de paragem pode custar perdas no valor de 350 milhões de dólares.

Derek Fischer disse à saída da reunião de ontem que está a representar uma solução que todos os jogadores concordem. No entanto, algumas equipas já referiram que com o lock-out e com a quebra clara de receitas, os cheques do mês de Outubro e do mês de Novembro podem não sair por falta de liquidez das mesmas. É nesse assunto que Chris Mannix da Sports Illustrated toca de forma muito pertinente: “They want us to say we can’t miss checks and just take the deal,” texted one All-Star player. “It won’t happen. We are standing firm. Everybody thinks the players are being greedy, but when it’s all said and done, we are giving up a lot.”

How quickly these system issues are resolved will likely determine when the league gets back to work. Stern has frequently said that if the system issues can be agreed to, the economic ones — specifically the BRI — are close enough that a deal can be made. On Monday, Kessler suggested the same. Getting the system issues settled, however, is looking like a tall task.

“The NBA is more dug in than before,” Hunter said. “[The owners] are going to have to soften their position and be willing to compromise.”

Segundo a opinião de Ian Thomsen da Sports Illustrated, este processo de negociação foi muito mal conduzido: ” On and on it will go, with both sides looking back to the salvation of the ’99 lockout. That resolution a dozen years ago may have influenced these extended talks that failed Monday night in New York. As much anxiety as both sides were feeling to reach an agreement this week, they weren’t experiencing the ultimate pressure that will be felt later this winter when the entire season is at risk. “The problem,” said a former league official who was involved in the negotiations that shortened the 1998-99 season to 50 games, “is that people tend to look at early January as the drop-dead date.”

He was worrying that the absolute final offer from either side may not emerge for another 12 weeks. Not until the final days of this calendar year will the owners fully understand the consequences of losing a full season during a recession, while more than 400 players find themselves confronted with the likelihood of a full year without an NBA paycheck.

In many ways these entire negotiations have gone according to form. It is not the formula anyone would have desired, but it has been entirely predictable. The owners lock out the players July 1, with little negotiating done for most of July and August, followed by sudden urgency to make a deal that can save the full season.”

Esperamos então que esse acordo chegue o mais rapidamente possível e que venhamos a ter espectáculo!

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Apatia

Domingos Amaral parecia adivinhar, no seu artigo dominical no Jornal Record, a noite fria de Copenhaga.

Concordo na íntegra com o texto do colunista.

Em Copenhaga, perante um jogo de tudo ou nada para o futebol português, a nossa selecção voltou a dar-nos mais do mesmo: o apuramento será discutido in-extremis no playoff final. Perante a qualidade e a competitividade deste grupo e desta fase de qualificação (basta apenas dizer que selecções como a Estónia, a Arménia que eram selecções que há 10 anos atrás eram goleadas em todos os jogos, estiveram perto dos playoffs) foi uma sorte escapar à eliminação com resultados como os que a nossa selecção teve: um empate caseiro contra Chipre, uma derrota na Noruega e na Dinamarca.

Entramos em campo com vários jogadores a menos. Rolando não está em forma. Não está no clube, muito menos na selecção. Ricardo Carvalho faz falta. Pepe faz falta. Eliseu fez um excelente jogo contra a Islândia mas hoje viu-se que é jogador para jogos pequenos. Contra a Dinamarca, tremeu e de que maneira. Meireles ainda não atingiu o seu pico de forma. Nani e Ronaldo foram inconsequentes e individualistas. Carlos Martins foi nulo e em condições normais não tem lugar nesta selecção. Postiga foi inexistente. Escapou portanto a excelente exibição de Moutinho.

Apatia. É a palavra que me ocorre para classificar os 90 minutos da selecção em Copenhaga. Com a defesa a meter água por todos os cantos (ocorre-me um lance já com o 2-0 onde Eriksson dá um nó a Rolando em plena área) o meio-campo foi lento a fornecer bolas ao ataque e o ataque foi demasiado individualista e incipiente na criação de jogo.

2-1 é um resultado simpático demais para aquilo que fizemos em Copenhaga. Acordamos aos 78″ quando já era tarde. E mesmo a perder não fizemos muito mais para chegar ao empate.

Merecemos ir ao playoff. A jogar assim, como diz Domingos Amaral: “já é muito bom irmos ao Euro”.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

André Costa – AAC

Video gentilmente retirado do Sexo e a Cidade

O André Costa, através da sua criadagem, gostava de ter o apoio do Entre o Nada e o Infinito na sua candidatura à AAC.

Há umas semanas atrás, um dos seus imponentes lacaios, o actual tesoureiro da AAC Miguel Andrade, veio falar comigo todo predisposto a que eu ajudasse no que pudesse o André a chegar à AAC.

Eu, João Branco, sapiente da importância do trabalho que o André Costa desenvolveu tanto no Núcleo de Estudantes de Direito como no Senado Universitário, e não concordante com a actuação do André Costa na Assembleia Estatutária na questão das novas regras para as Secções Culturais da AAC (clicar sobre o link) ofereci-me prontamente para o ajudar em tudo o que estivesse ao meu alcance em prol da sua candidatura à AAC, sem quaisquer interesses terceiros, porque acreditei desde o primeiro minuto que perante uma situação catastrófica na instituição provocada pelo desastroso elenco de 2011, a AAC precisava de um homem cujas características de líder do André Costa são inegáveis e cuja vontade de limpar a casa e desenvolver trabalho também é inegável.

Se o fiz, é porque acredito nas suas qualidades e porque creio que a AAC necessita de um homem forte e de uma equipa ainda mais forte.

Não estou portanto a apontar o dedo ao André Costa enquanto dirigente, visto que o considero neste momento a pessoa mais indicada para o cargo.

Semanas passaram, e com o Miguel Andrade vinham as promessas do André Costa me dar um telefonema para actuar em prol da sua candidatura. Nada. Em cerca de mês e meio, o André não perdeu 5 preciosos minutos do seu tempo para falar comigo. Não eram precisos mais que 5 minutos para delinear linhas para a minha acção. E estamos a falar de uma actuação que era do mais puro interesse dele.

Talvez seja o post acima linkado que ainda magoe o André em relação à minha pessoa. Não irei retirar uma palavra do mesmo, pois como tal iria trair os interesses da Secção Culturais que me acolheu, a Secção de Fotografia da AAC.

De toda a oratória que vejo no video acima postado, parece que o André Costa rejeitou o meu melhor. Como tal, reassumo uma posição neutra nestas eleições.

Encantador

dEUS — Nothing Really Ends — Álbum: Pocket Revolution (2005)

Tom Barman, o mesmo que um dia vi deambular em Coimbra, tomando placidamente o seu café no Tropical com a sua namorada, antiga estudante da UC.

Com as etiquetas , ,