Beira-Mar 0-0 Vitória de Setúbal

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/Kv6wSezE1YMEY4G8vwyT/mov/1

O Beira-Mar encerrou a jornada com um desolador empate a 0 bolas contra o Vitória de Setúbal.

A minha primeira nota vai obviamente para o número de espectadores: estariam 200 pessoas dentro do Estádio? Mesmo com a promoção de 2 bilhetes pelo preço de 1 para casais, a transmissão na Sporttv, a chuva e o frio afastaram os adeptos do estádio.

Os que estiveram presentes no EMA viram (na minha opinião) um dos mais interessantes jogos do Beira-Mar esta época. No entanto, este empate é amargo, muito por culpa das inúmeras falhas de finalização que os jogadores do Beira proporcionaram. Foram 30 os remates que o Beira fez esta noite sem que conseguisse marcar um golo válido.

Contra o Vitória, o Beira-Mar fez 90″ onde evidenciou uma tremenda circulação de bola (sempre a procurar que os extremos desiquilibrassem) mas não concretizou. Para além das duas bolas que o Beira mandou à barra e do golo anulado (tenho dúvidas), havia sempre uma perna de um defensor do Setúbal a evitar que a bola entrasse e um guarda-redes (Diego) que teve uma exibição inspirada em Aveiro.

Na equipa do Beira, destaque para a exibição colectiva. Na defesa, Yohan Tavares está lentamente a entrosar-se com Hugo e com a ajuda certinha dos laterais resolveram a pouca iniciativa atacante que o Setúbal teve durante a partida. No meio campo, Djamal enche por completo as medidas e tanto Rui Sampaio como Artur  fizeram  exibições bastante agradáveis.

Nas alas, os irrequietos Élio e Leandro Tatu tentaram sempre a linha para servir Ronny nas melhores condições. Tatu a par de Djamal foram para mim os melhores homens em campo. Ronny teve uma exibição bastante esforçada lá na frente mas continuou a pecar bastante no capítulo da finalização.

No entanto, já há alguns jogos continuo a reparar numa pecha que Leonardo Jardim terá que solucionar. Na esquerda do Beira-Mar, os adversários continuam sempre a colocar dois jogadores contra o defesa-esquerdo da turma Aveirense. Nos últimos jogos, o extremo do lado esquerdo não costuma cobrir o lateral quando este está em missão ofensiva, o que cria bastantes complicações ora para André Marques ora para Renan. Assim sendo, creio que a melhor possibilidade que o mister poderia usar era colocar uma dupla na esquerda composta por André Marques (melhor a defender) e Renan à frente (melhor a atacarcentros para a área).

Quanto ao árbitro da partida, o Portuense Rui Costa, dou-lhe o benefício da dúvida em alguns lances excepto em dois.

Na 1ª parte existem duas situações em que a bola vai ao braço de jogadores do Vitória de Setúbal. Se na 1ª (um lance de canto) a mão na bola é casual, no 2º lance (após centro de Artur) a intenção do central vitoriano Ricardo Silva é de cortar o lance com o braço.

Na 2ª parte, o golo anulado causa-me bastantes dúvidas. Leandro Tatu parece ligeiramente adiantado na altura do toque de Élio mas o lance é difícil de ajuizar visto que Élio perdeu o controlo do esférico e Tatu vindo da direita tocou “uma bola perdida” para o lado.

No lance de Élio na área, é claro que o jogador Aveirense falhou na bola e tentou a simulação.

Todavia, existe uma grande penalidade claríssima por assinalar, resultante de uma falta nítida de Miguelito sobre Leandro Tatu.

No final da partida, Leonardo Jardim era obviamente um treinador insatisfeito com o resultado da sua equipa:
” O resultado não espelha o que se passou em campo, sobretudo pela primeira parte muito boa que realizámos, mas sublinho a nossa ineficácia ofensiva. Sinto que foram dois pontos perdidos, pelo volume de jogo, as situações que criámos e, sobretudo, pelo desequilíbrio conseguido na primeira parte.

A segunda parte foi mais equilibrada por o Beira-Mar ter tido problemas nas laterais, o que nos condicionou em termos de substituição. O Vitória de Setúbal, com a sua qualidade técnica, conseguiu baixar o nível de jogo e pagámos a fatura da excelente primeira parte que fizemos.

Quero frisar a ideia de que não estamos satisfeitos com os 25 pontos alcançados e que mantemos os nossos objectivos individuais e cole tivos.”

Com este empate, o Beira-Mar somou 25 pontos mas caiu uma posição na tabela. Ainda não foi hoje que a equipa garantiu a “manutenção virtual”. Digo “manutenção virtual” visto que o Leixões (15º na época passada) somou 26 pontos. No entanto e como a linha de água este ano está nivelada por baixo ao nível pontual (Portimonense com 10 e Naval com 13) o Beira-Mar está descansado na 10ª posição com mais 12 pontos.

Mesmo assim, estamos a 4 pontos do 4º classificado que é o Guimarães e a 8 do 3º que é o Sporting.

Na próxima jornada, o Beira-Mar tem uma difícil deslocação à Madeira para defrontar o Marítimo. Na 1ª volta em Aveiro, Beira e Marítimo empataram a 1 bola num jogo em que o Beira foi prejudicado com um golo mal anulado ao central Hugo já em período de descontos.

Com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: